Debaixo de tectos fragmentados, ou até de simples panos, ergue-se um dos maiores espelhos de uma cultura: o mercado. Feito de cores, aromes e sobretudo sabores, estas “ágoras” dos tempos modernos são um retrato pitoresco de um povo.

Segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa, a palavra “mercado” significa “lugar público coberto ou ao ar livre onde se compram mercadorias postas à venda; reunião de comerciantes no mesmo local, para vender” mas também “cidade onde se faz o comércio de certos objectos”.

Mais até que uma cidade o mercado, com a sua confusão de gritos, correrias e cheiros, representa um inteiro ecossistema. Passando por frutas exóticas a peixe fresco vindo de mares gelados, de flores a sapatos, estas “acrópoles comerciais” são testemunho diário de misturas de classes, nacionalidades e etnias. É o único local de trocas comerciais em que todo o povo o é, no sentido literal da palavra. Esta mistura torna-se infalível em quebrar com segregações e em fomentar o que de realmente importa: a comunicação.

Neste galeria propomos-te uma visita a 10 dos mais emblemáticos mercados do mundo, desde o Egito a França passado pelo China e pela Turquia, para que os possas incluir nos teus roteiros. Lembra-te, para além de verdadeiras “pechinchas” só lá poderás encontrar a verdadeira alma de um povo.