A companhia canadiana responsável por este circo estreia hoje, o primeiro dia do ano de 2014, Dralion, um espetáculo inspirado nas artes acrobáticas chinesas. Esta atuação irá estar em cena no Meo Arena, Lisboa, até ao dia 12.

As técnicas usadas são inspiradas nas artes acrobáticas orientais, mas com alguns toques modernos. O conceito desta atuação foca-se em quatro personagens que representam os quatro elementos (água, fogo, terra e ar). Uma variedade de coreografias e acrobacias são levadas a cabo por bailarinos, acrobatas, cantores e palhaços.

Originalmente Dralion estreou no final dos anos 90, estando em cena durante 13 anos. Foi retomado em 2010. Esta é outra atuação que terá lugar em Portugal, seguindo-se a outras tais como Varekai, Quidam, Saltimbanco, Alegria e The Immortal (que teve lugar neste ano, servindo como homenagem a Michael Jackson).

O Cirque du Soleil, que terá em breve 30 anos de idade, foi apresentado pela primeira vez em Portugal no ano de 2007. Começou originalmente em 1984 como sendo uma pequena companhia fundada pela iniciativa de dois amigos canadianos Guy Laliberté e Daniel Gauthier. Tem mais de uma dezena de espetáculos em simultâneo em todo o globo. Em 2012, a companhia, que neste momento conta cerca de cinco mil funcionários, conseguiu faturar 763 milhões de euros aproximadamente.