hardwell

Hardwell: “a música eletrónica une os fãs como nenhum outro tipo de música”

Na conferência de imprensa pré-concerto, Hardwell afirmou não ter dúvidas quando o questionámos se a música eletrónica une os fãs como nenhum outro tipo de música: «sim, isso é mesmo verdade». Pode ser esta a explicação para a proliferação da música eletrónica por todo o mundo: vejamos o exemplo de festivais como o Tomorrowland, agregadores de grandes multidões, que continuam em crescimento. Aliás, as datas para a edição de 2014 do festival belga  já foram anunciadas e o Espalha-Factos não temeu perguntar ao “melhor DJ do mundo” – segundo a revista DJMag – se estaria lá presente. Hardwell sorriu, não adiantou nada com uma resposta vaga, mas tudo dá a entender que sim. 

21h53. Bem disposto, o jovem DJ de 25 anos veio ao encontro dos jornalistas enquanto Dannic abria o seu concerto. À imprensa, Hardwell confessou que Portugal foi dos primeiros países a mostrar agrado pela sua música, há cinco anos. Apreciador de pastéis de Belém, das praias e do marisco, o holandês já esteve em Portugal várias vezes, incluindo em Coimbra (maio de 2012), mas o espetáculo no MEO Arena é o maior até agora, segundo os dados da organização. Um espetáculo complexo está montado, mas Hardwell fez questão de referir que a música é a base, o resto é um complemento.

Acompanhado por Patrícia, organizadora da I AM HARDWELL tour e conterrânea do DJ, Hardwell afirmou que a música eletrónica esteve sempre ligada à Holanda e, em especial, a Breda. Daí que esta cidade holandesa seja a origem de Tiesto, um dos DJ’s mais internacionais de sempre, e agora de Hardwell, considerado recentemente o DJ número um do mundo. Para isso contribui o elevado número de discotecas e espectáculos que existem na Holanda todos os dias, segundo o artista. Hardwell fala ainda da nova geração, em que inclui nomes como Zedd, Porter Robinson e Dannic. O DJ espera continuar a contribuir para a formação desta nova onda de DJ’s com o seu estúdio de gravação, a Revealed Recordings.

Hardwell

Sobre os DJ’s portugueses, Hardwell – conhecedor do trabalho de Mastiksoul – aponta um nome como a promessa futura: Kura. Segundo o holandês, o português Kura pode muito bem tornar-se internacional: «não tirem os olhos dele», aconselha. No seu programa semanal, Hardwell On Air,  já apoiou o DJ português, ao passar a recente Bumbershoot. Quanto ao público, o holandês também não poupou elogios: «adoro vir cá, sabem todas as músicas que eu toco.»

Inspirado por um documentário que viu na MTV, Hardwell começou a tocar piano aos quatro anos, mas foi aos 14 que se lançou no mundo EDM (eletronic dance music). 11 anos depois, o DJ admitiu que continua a fazer aquilo que adora fazer. O segredo para o sucesso? Hardwell não hesita: «dedicação.»

Mais Artigos
festival de cannes
Cannes 2020: sem Festival, mas com Seleção Oficial