phpThumb

O Hino, a Bandeira e a RTP – identidade nacional

O Dia do Serviço Público é o dia de todos nós, sem exceção. A tarde desta quarta-feira reuniu várias mentes e opiniões no Centro Cultural de Belém para reflexão sobre o futuro do operador público. Estamos cada vez mais perto de conhecer o futuro da Rádio e Televisão de Portugal. Queremos uma RTP que satisfaça os nossos interesses, que tenha conteúdos que nos prendam, que nos informe corretamente e que nos entretenha. Sempre a pensar em quem conta – nós, espetadores e ouvintes. Na conferência Serviço Público de Media em Portugal – Um Novo Paradigma, uma coisa ficou clara por todos: a RTP é uma referência e tem de se tornar num operador de excelência. Várias pistas foram lançadas:

O presidente da estação, Alberto da Ponte, afirmou que o canal público tem de ser um “garante da coesão social, para todos os públicos” e “ter presente os 6 princípios que assinou no acordo da European Broadcasting Union: universalidade, independência, excelência, responsabilidade, diversidade e inovação”.  É preciso que os conteúdos tenham relevância, é preciso que a RTP envolva as gerações mais jovens e os públicos mais afastados. Para isso é preciso definir orientações estratégicas independentes.

É preciso fazer mais com menos dinheiro. Luiana Nunes pôs o dedo na ferida. A administradora da RTP relembrou que com a quebra de financiamento público somada à quebra das receitas de publicidade não se fazem milagres. É que a RTP não é só o canal 1. É a RTP1, RTP2, RTP África, RTP Internacional, RTP Memória, RTP Informação, Antena 1, Antena 2, Antena 3, Museu da RTP, o Arquivo, e muitas outras estruturas. A RTP não pode entrar em competição com os privados – “tem o seu espaço”, remata. O binómio entre qualidade e audiências já é velho e não parece ter uma solução completamente clara.

RTP

O canal público está prestes a conhecer o seu futuro. O Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, recebeu 109 propostas de soluções para a RTP e, no destino final, vai incluir vários contributos da maioria. O ministro alerta para o facto de a oferta de TV em sinal aberto na TDT ser insuficiente em Portugal. Há países na Europa que têm dezenas de canais, lembra. A existência de mais canais é um objetivo para o futuro, até para regular os custos do cabo. Alberto da Ponte acrescentou neste ponto que “há condições de abrir um canal aberto de informação, se houver publicidade”.

A proposta concreta ainda não é conhecida, mas o ministro adiantou algumas bases da solução:

  • Mitigar os riscos de intromissão política
  • Ajustes nos recursos humanos
  • Redução da produção interna
  • Produção, agregação e distribuição de conteúdos ao nível criativo e técnico
  • Ser regulador da qualidade do audiovisual
  • Apostar nos serviços internacionais – promover Portugal
  • Apostar nos núcleos de editores, criativos e autores
  • O financiamento deve ser estável, transparente e independente

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Harry Potter
Vem aí programação especial de Harry Potter na televisão