luna andermatt

Morreu Luna Andermatt, a impulsionadora da dança em Portugal

Morreu na passada terça-feira à tarde Luna Andermatt. Nascida em 1926, Andermatt fundou a Companhia Nacional de Bailado em 1976, foi responsável pela reforma da dança em Portugal e pelas suas mãos passaram muitos dos bailarinos e coreógrafos que depois dançariam na CNB e no Ballet Gulbenkian

Filha de boas famílias, educada com rigor e disciplina, Luna mostrou-se uma rebelde que optou por uma área nada sensata na sua época: a dança. Inscreveu-se em segredo no conservatório e aos 24 anos foi para Londres, onde trabalhou com grandes mestres e aprendeu as técnicas de ensino do ballet. No entando, viu-se num novo mundo e aproveitou para apreender tudo aquilo que Lisboa não lhe dava: “Estive lá um ano e adorei. Falava o inglês fundamental, mas vivia sôfrega de tudo quanto via. Bebia tudo quanto havia e podia, mesmo se a minha vida era escola-casa-cama. Depois das aulas, que começavam às oito da manhã, ainda tinha aulas particulares.” disse ao Público.

Quando regressou começou a tentar dignificar a dança em Portugal: formar bailarinos profissionais, criar uma companhia nacional, mas essencialmente cultivar o gosto por esta arte. Para realizar o seu sonho foi fundamental o seu marido Francisco de Brás Oliveira, sendo que finalmente em 1976 a dança tornou-se finalmente assunto de Estado. David Mourão Ferreira, o então secretário de Estado da Cultura, chamou-a para reavivar o seu projeto e criar a Companhia Nacional de Bailado, ao lado de Armando Jorge, Vera Varela Cid e Pedro Risques Pereira.

Foi diretora da Companhia durante sete anos, mas nunca parou de dançar ou coreografar. Mas era ao ensino que Luna Andermatt mais se dedicava: “Tenho muito orgulho em lhes ouvir dizer que não aprenderam só a técnica do bailado, mas a expressão do próprio corpo. É preciso ser-se atento a muitas coisas ligadas à pessoa, à espiritualidade, é preciso trabalhar todos os dias, e as coisas não são feitas ao som do relógio.” confessou ao também ao jornal Público. 

andermatt MAIOR

Aos 83 anos aceitou o desafio e subiu ao palco com a companhia Maior com o espetáculo Durações de um minuto, uma co-produção da sua filha Clara Andermatt e Marco Martins. Num universo totalmente novo para si, pôs de parte o ballet clássico e enfrentou descalça a dança contemporânea. Apesar dos problemas da coluna e da perna esquerda traidora fez parte de mais dois projetos da companhia Maior. Como a própria escreveu: “Ninguém envelhece só por viver muitos anos. A juventude não é uma época da vida, é um estado da alma. não é uma questão de faces lisas, lábios vermelhos e joelhos bonitos. é uma força de querer, uma qualidade da imaginação um rigor de emoções e uma frescura da profunda primavera da vida“.

Em maio deste ano foi homenageado pela Câmara Municipal de Lisboa com a medalha de ouro da cidade e sem esquecer aquilo que desde sempre a moveu disse que só dançando poderia agradecer a tal homenagem.

Bailarina, professora, coreógrafa, impulsionadora da dança Portugal, Luna Andermatt é um nome incontornável no panorama da dança nacional e um exemplo de que os sonhos não são impossíveis de realizar.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cristina Comvida bateu um novo recorde negativo.
‘Cristina ComVida’ cai para novo mínimo de audiências