Dá Tempo ao Tempo

Dá Tempo ao Tempo: Mais que uma comédia romântica

O realizador Richard Curtis regressa ao grande ecrã com Dá Tempo ao Tempo, uma comédia romântica sobre viagens no tempo que acaba por se tornar numa grande lição de moral.

Tim Lake (Domnhall Gleeson) descobre aos 21 anos que consegue voltar atrás no tempo. Esta descoberta é revelada pelo pai, que indica que ao longo dos anos, todos os homens da família têm mudado o rumo da história, por motivos económicos, emocionais ou até mesmo para reviver um momento especial. Ao saber desta habilidade, Tim tenta corrigir alguns aspectos importantes da sua vida, como por exemplo, experimentar a sorte no amor. As primeiras tentativas acabam por não correr muito bem, até que este conhece Mary (Rachel McAdams). Quando as coisas começam a tomar o rumo certo, Tim percebe que esta habilidade deve ser utilizada, não apenas para uso pessoal mas também, para tentar ajudar todos os que o rodeiam.

A acção decorre no ritmo certo, interligada com humor e situações sérias sem se desviar do ponto principal, a vida de Tim. Na verdade, é aqui que vemos o potencial desta longa-metragem. O realizador, podia ter optado por focar-se apenas no romance mas, felizmente, alarga o seu pensamento para outras paragens e consegue ser bem sucedido. Ao intercalar a vida amorosa de Tim com vários aspectos familiares, percebemos que o realizador aproveitou muito bem o elenco escolhido, porque as personagens secundárias são mais que satisfatórias. Existe um desenvolvimento natural e pouco forçado dos acontecimentos, que vai alterando a linha cronológica da história sem nunca menosprezar os vários elementos da longa-metragem, o que confere um sentido lógico à narrativa. À  medida que o enredo progride, as personagens vão evoluindo psicologicamente de uma forma simples que aproveita bem a premissa da viagem do tempo, ainda que não exista o chamado “efeito borboleta” de uma forma agressiva. Isto é, mexer no passado não traz consequências muito graves mas altera a forma como o mundo se desenrola sem proporcionar destinos fatais. Devido à natureza do filme, tudo parece evoluir para melhor, ainda que existam algumas arestas a limar na vida de outros personagens menos relevantes.  Dá Tempo ao Tempo lembra-nos constantemente que existem paradoxos quando se viaja no tempo e tem algumas falhas no que diz respeito ao assunto, mas consegue equilibrar tudo isto com uma narrativa capaz de entreter o espectador.

About Time

A família de Tim está  repleta de caras conhecidas, que oferecem no seu geral uma performance bastante razoável. Bill Nighy está muito igual a si mesmo (como se fosse outra personagem retirada d’O Amor Acontece) e não oferece uma grande surpresa. A personagem Kit Kat, interpretada por Lydia Wilson, está fantástica, muito bem desenvolvida, com traços fortes na personalidade e quase que rouba as atenções. Contudo, o filme brilha especialmente com a química espectacular entre Domhnall Gleeson e Rachael McAdams. Ambos interpretam muito bem os papéis e têm uma relação demasiado íntima que prende o espectador. De facto, até parece que não é a primeira vez que trabalham juntos e isso ajuda muito na tentativa de interpretar um casal.

A banda sonora parece ter sido feita de raiz para o filme porque a escolha das músicas integra-se muito bem com as cenas e inclui artistas como The Cure e Nick  Cave. A nível técnico, a fotografia é ideal para este género de filmes e prima pela utilização de cores vividas que preenchem o ecrã.

Em suma, Dá Tempo ao Tempo é um filme inteligente que tenta quebrar os clichés das comédias românticas. O que começa por ser apenas mais uma história de amor, acaba por se tornar numa lição de vida e numa grande narrativa familiar. A mensagem do filme passa por aproveitar a vida de uma forma descontraída e tentar absorver os pequenos detalhes do nosso dia-a-dia. É sem dúvida, umas das melhores comédias românticas deste ano.

8.5/10

Ficha Técnica:

Título Original: About Time

Realizador: Richard Curtis

Argumento:  Richard Curtis

Elenco: Domhnall Gleason, Rachel McAdams, Bill Nighy, Lydia Wilson, Tom Hollander

Género: Comédia, Drama

Duração: 123 minutos

*Por opção do autor, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.

 

Mais Artigos
Mafalda Castro e Cláudio Ramos em Big Brother
TVI antecipa ‘Big Brother’ na grelha da tarde sem ‘Ver P’ra Crer’