Jeremy-Scott-winged-jacket-Swatch-watch

Jeremy Scott assume direção criativa da Moschino

Em celebrações pelo seu 30º aniversário, a Moschino acabou de anunciar a contratação de Jeremy Scott como diretor criativo. O designer, baseado em Los Angeles, substitui Rossela Jardini, que assumia os comandos da marca desde 1994, após a morte de Franco Moschino, o fundador da casa.

A estreia de Scott como diretor criativo da marca acontecerá em fevereiro do próximo ano, na temporada de inverno 2014. Em comunicado, o diretor do grupo detentor da marca, Massimo Ferretti, revelou estar entusiasmado com esta mudança significativa que objetiva a injeção de uma nova energia no grupo. Dentro do grupo Aeffe, várias marcas têm sofrido alterações, como seja a Philosophy, a Emanuel Ungaro, Pollini, e Cédric Charlier.

Paralelamente, Scott continuará a desenvolver a sua própria marca, lançada em 1997. Com um espírito rebelde à flor da pele, percursor inato do punk de Gaultier ou Westwood, Jeremy Scott demonstrou ao Style.com o seu contentamento:

Eu estou realmente entusiasmado. Para mim, um dos elementos-chave da Moschino é o humor. É ums das poucas casas com humor. Outro elemento a salientar são as mensagens escritas que expressam pensamentos e mistura de ideias. Partilhamos a obcessão por procurar a diversão na moda.”.

Não é a primeira vez que Scott trabalha para a marca. Segundo conta, durante o último ano lectivo na universidade, o jovem estagiou no press office da Moschino. Primeiro estagiário e, anos depois, diretor criativo da casa italiana. Uma “ironia”, como diz o próprio.

Esta contratação, apesar de não ser surpreendente pela correlação óbvia que o estilo de Scott tem com a Moschino, acontece após ter recusado, por vários anos, trabalhar para a Pucci, Versace, Paco Rabanne ou Chloé. Scott explica que, no início da carreira, sentia necessidade de se estabelecer por conta própria, perceber o seu DNA, criar uma marca sólida e foi este o patamar que atingiu. Aos 39 anos, decidiu então, com naturalidade, que assumir a Moschino é o passo seguinte.

De pé fica também a colaboração do designer com a Adidas.

Mais Artigos
Teatro São Carlos
Do Património ao cinema e setor livreiro. Onde vai a Cultura gastar os 243 milhões do PRR?