Denis Villeneuve deixa a sua marca no cinema norte-americano ao realizar Raptadas, uma das maiores surpresas deste ano.

Após o rapto da sua filha, Keller Dove (Hugh Jackman) decide fazer justiça pelas próprias mãos e enfrenta Loki (Jake Gyllenhaal), o detective encarregue do caso. Ao ver que as decisões tomadas não são as mais correctas, Keller captura o principal suspeito que acredita ser responsável e começa a torturá-lo numa tentativa desesperada de descobrir o que realmente aconteceu.

O tema retratado não é fácil de absorver e isso pode causar alguma confusão aos espectadores mais sensíveis. Trata-se de um filme extremamente rico em questões morais que torna as acções dos personagens em verdadeiros actos questionáveis. Não existe o lado moralmente bom nem o lado mau, mas sim a face mais volátil do ser humano quando é colocado em situações de aperto. Estamos perante actos condenáveis mas o que se coloca em primeiro lugar é a lei da sobrevivência e o que faríamos para salvar um ente querido.

raptadas pic

Denis Villeneuve arriscou na escolha do elenco mas a aposta está mais que ganha. Hugh Jackman consegue a melhor performance da carreira até à data. A sua actuação é bastante competente e vai deixar muita gente surpreendida. Interpreta de forma sóbria um papel bastante exigente emocionalmente, de um homem que não olha a meios para atingir os fins. Paul Dano, que interpreta Alex Jones, está  fora da sua identidade, com um aspecto sombrio e acaba por servir como plot device para desvendar aspectos pertinentes do enredo. No entanto, não tem tanta importância como o personagem de Jake Gyllenhaal, que representa a face da lei e coloca o espectador na pele de uma espécie de investigador privado, que não descansa enquanto não desvendar o caso do rapto.

raptadas pic 2

Visualmente, o filme está muito bem conseguido. Roger Deakins, director de fotografia que fez um trabalho fenomenal em Skyfall, utilizou bastante um contraste quente/frio nas cenas, o que acentua um ambiente acolhedor característico do Dia de Acção de Graças (o setting principal) e um grau de pânico existente nas personagens em momentos de tensão. Também, no campo sonoro, destaque para o tema envolvente que eleva ainda mais o sentimento de trauma presente no enredo.

Contudo, Raptadas é limitado em aspectos importantes do argumento. Os acontecimentos tem lugar demasiado rápido e deixam o espectador sem espaço para absorver tanta informação, o que acaba por prejudicar o filme em momentos decisivos. A duração foi um pouco mal utilizada porque, em 153 minutos, não conseguiram explicar de forma mais sucinta algumas peças do puzzle. Devido a este factor, acaba por ficar a sensação de que poderia ter sido feito mais para elevar a longa-metragem a outro nível.

Apesar destes problemas, Denis Villeneuve sabe claramente o que está a fazer ao utilizar características de outros thrillers intensos, como por exemplo, Silêncio dos Inocentes e Sete Pecados Mortais, e não falha na tarefa de colocar o espectador preso à cadeira. Mais que recomendado para quem aprecia um thriller tenso capaz de deixar questões a pairar no pensamento.

8/10

Ficha Técnica:

Título Original: Prisoners

Realizador: Denis Villeneuve

Argumento: Aaron Guzikoski

Elenco:  Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Paul Dano, Terrence Howard, Erin Gerasimovich, Maria Bello

Género: Crime, Drama, Thriller

Duração: 153 minutos

*Por opção do autor, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945