doc2

Doclisboa’13: edição com mais de 200 filmes e uma cadeira vazia

Foi anunciada na quarta-feira a programação completa da 11ª edição do Doclisboa, que conta este ano com 244 filmes e uma cadeira vazia, destinada ao realizador iraniano Mohammad Rasoulof, convidado para presidente do júri internacional do festival e impedido de viajar pelas autoridades iranianas.

Em outubro – e no início de novembro – o mundo inteiro volta a caber em Lisboa, através de filmes provenientes de 4o países diferentes, naquele que é, segundo a organização, um “momento de luta pela defesa do cinema em Portugal” porque “fazer cinema é e será sempre resistir”.

Foi ainda confirmado que a cadeira de Mohammad Rasoulof ficará vazia, sendo que “tal não constitui homenagem, mas denúncia”, como sublinha a direção. Manuscripts Don’t Burn, o filme mais recente do realizador iraniano, será exibido na Sessão de Encerramento. Pays Barbare, de Yervant Gianikian e Angela Ricci Luchi, é o filhe escolhido para a sessão de abertura.

doc

Mohammad Rasoulof

O cinema português está representado nesta edição através de 46 filmes, integrados em várias secções. No total, o Doclisboa’13 conta com 123 longas e 121 curtas-metragens.

Na secção Passagens, o tema deste ano é o Arquivo e o destaque vai para os 14 episódios de Berlin Alexanderplatz, de Fassbinder, que estarão disponíveis no Museu da Electricidade.

O tema do arquivo está também presente na retrospectiva Moving Stills – Photography, Photographers and Documentary Film, na qual de pretende explorar a relação entre a fotografia e o filme documental. Comissariada por Federico Rossin (responsável pela retrospectiva United We Stand Divided We Fall, na última edição do festival), esta secção conta com obras de Agnès Varda, Chris Marker e Jean-Luc Godard, por exemplo.

Em parceria com a Cinemateca Portuguesa, o Doclisboa apresenta este ano uma retrospectiva integral da obra de Alain Cavalier, para além de ter ainda foco um especial no Chile, intitulado 1973–2013. O Golpe Militar no Chile: 40 anos depois.

Uma outra novidade desta edição é a extensão do festival até à margem sul do Tejo, com Almada a associar-se ao Doclisboa, acolhendo vários filmes no Fórum Municipal Romeu Correia.

A programação completa assim como informações relativas aos ingressos para o festival podem ser consultadas aqui.

Mais Artigos
Time substituiu logótipo para apelar ao voto nas eleições norte-americanas