norberto lobo e joão lobo

Mogul de Jade

Mago da folk instrumental e autêntico virtuoso da guitarra, Norberto Lobo tem vindo a construir, ao longo dos últimos seis anos, uma das mais consistentes carreiras da música nacional, alicerçada pelos magníficos Mudar de Bina (2007), Pata Lenta (2009), Fala Mansa (2011) e Mel Azul (2012). Agora, após o reconhecimento a título individual, o guitarrista decidiu juntar-se ao baterista João Lobo, colaborador de longa data (a homonímia é mera coincidência), para criar, a quatro mãos, um novo disco; de seu título Mogul de Jade, a obra foi lançada pela Mbari Música a 19 de Julho.

Para quem não está familiarizado com a obra de Norberto Lobo, creio que serve de introdução dizer apenas que estamos perante aquele que é, a par de Filho da Mãe e Tó Trips (uma das duas metades dos Dead Combo), um dos melhores guitarristas que a música portuguesa “pariu” nas últimas décadas. Conhecido pela forma como consegue evocar, com as suas peças instrumentais, verdadeiras cenas cinematográficas e paisagens longínquas, Norberto Lobo tem vindo a criar, nos seus LP’s, obras-primas de extraordinária beleza.

Por isso mesmo, não é de estranhar que tenha ficado bastante entusiasmado ao saber, há uns tempos, que já estava na forja mais um registo, desta vez feito a meias com João Lobo, jovem e talentoso baterista que muita tinta tem feito correr no seio dos entusiastas do jazz, género de onde provem. E a verdade é que, após várias e repetidas audições, Mogul de Jade, o resultado discográfico dessa colaboração, não só não desilude como também se revela como um dos grandes álbuns nacionais deste ano.

À primeira audição, Mogul de Jade demonstra ser, musicalmente falando, uma espécie de elo perdido entre Fala Mansa e Mel Azul, misturando a postura cerebralmente experimental do primeiro com as amenas melodias do segundo. A evocação à folk de John Fahey, consciente ou não, continua bastante presente na obra de Norberto Lobo, e isso é algo que se sente à medida que a guitarra vai guinando de um lado para o outro, entre os hipnotizantes e bucólicos “novelos” de notas e os repentinos e violentos ataques às cordas.

mogul de jade

O grande trunfo de Mogul de Jade está, contudo, nas novidades que este registo traz à sonoridade de Norberto Lobo, a começar na percussão de João Lobo. Apresentando-se de forma relativamente esparsa e comedida, (felizmente) sem azo para grandes demonstrações de virtuosismo oco, o trabalho do baterista complementa de forma magistral o som do guitarrista, preenchendo os espaços deixados pelas notas de Norberto e criando novas dinâmicas e ambiências, mais amplas e volumosas.

Outra das rupturas que Mogul de Jade nos traz encontra-se na estética, conseguida através da gravação e mistura de Eduardo Vinhas e Pedro Magalhães (num belíssimo trabalho feito no já mítico Golden Pony Studio), e que se apresenta aqui duma forma muito pouco polida, quase lo-fi, realçando a crueza e a visceralidade das peças de Norberto Lobo. Aliado a isso, o uso relativamente extenso da guitarra eléctrica e a adição, pontual, de vocais em algumas peças dão a Mogul de Jade um toque de frescura e conferem-lhe um brilho especial, dificilmente ofuscado pelas pouquíssimas falhas do registo, que se cingem sobretudo pela quebra de qualidade em alguns momentos menos conseguidos.

Quanto a faixas individuais, o destaque negativo vai apenas para Rustenburger Str, peça que já havia figurado em Mel Azul e que aparece aqui numa versão acrescida de bateria mas que, apesar das diferenças de “cosmética”, continua sem me despertar paixões. Pela positiva, aponto a avassaladora Himmelstorm, a belíssima Musgo na Voz, a rústica Bragança e a plácida Quinta do Rio como os melhores temas deste Mogul de Jade.

Em suma, Mogul de Jade apresenta-se como um belíssimo conjunto de 8 faixas que vai balançando, sublimemente, entre a audácia do experimentalismo e a doçura da melodia, num casamento perfeito entre a bateria inteligente de João Lobo e a guitarra imaginativa de Norberto Lobo. Para além disso, com este registo Norberto junta novas tonalidades sonoras e nuances à sua palete musical, num gesto que reitera o seu gosto pela reinvenção e que reafirma, com a ajuda de João Lobo, o seu estatuto enquanto nome maior da música exploratória nacional. Resta-me apenas desejar que desta união saiam mais discos, tão brilhantes e preciosos quanto este Mogul de Jade.

Nota final: 8.3/10

*Este artigo foi escrito, por opção do autor, segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Ricardo Araújo Pereira participa nas conversas da FFMS
Ricardo Araújo Pereira é a figura pública favorita dos portugueses