Bem-vindo à décima primeira edição da Life-Tech, a rubrica que te coloca a par das mais recentes inovações tecnológicas.

Cada aplicação tecnológica é mais do que um meio básico ou primitivo da sociedade, uma vez que adquire, por si só, características próprias que podem assumir várias variáveis inovadoras modificando, por sua vez, a nossa relação com o mundo e até a perceção que temos dele.

Por isso, apresento-te um objeto completamente primitivo, mas que se tem tornado numa das melhores invenções tecnológicas de sempre, devido às inúmeras adaptações que tem sofrido ao longo dos tempos: o Atom. Mais do que uma simples bicicleta, o Atom é um aplicador que gera energia capaz de carregar gadgets enquanto pedalas.

Tech-Long

Desenhar produtos para o ciclista moderno, que não passa sem os pequenos prazeres da vida e muito menos sem as novas tecnologias, parece tarefa difícil. No entanto, Aaron Latzke e Dave Delcourt, os dois cofundadores da empresa Siva Cycle, são os grandes criadores do Atom.

Com o objetivo de «transformar a energia e a paixão pelo ciclismo em eletricidade utilizável no dia-a-dia», Latzke e Delcourt decidiram usar a energia gerada por uma bicicleta (o que não é precisamente novidade) e serviram-se dos dínamos feitos para alimentar as luzes de sinalização das bicicletas para gerar a energia que, consequentemente, servirá para carregar gadgets via USB enquanto pedalas e, assim que o gerador está carregado podes liga-lo, por exemplo, a qualquer iPhone.

Atom 2

«As nossas motivações vão desde aquela dor de ter um telemóvel sem bateria às cinco da tarde até às mais de 1,5 mil milhões de pessoas que não têm acesso a qualquer tipo de energia, em todo o mundo», como se pode ler na apresentação do Atom.

Para concretizarem este projeto foi lançada uma campanha de crowdfunding na plataforma Kickstarter, onde os criadores do Atom pediam 85 mil dólares, mas a invenção conquistou tão bem os consumidores que conseguiram mais de 126 mil dólares para colocarem em curso este produto no mercado. Uma das grande vantagens desta invenção prende-se com o facto do Atom ficar «preso à roda traseira, de modo a evitar roubos e imprevistos durante as viagens».

Atom 1

Apesar de já se aceitarem encomendas, este protótipo só está à venda em Novembro por apenas 75€ (cerca de 99 dólares). Vê o vídeo com a explicação do funcionamento desta tecnologia aqui:

Tech-Short

Teclado para ser usado «quase às cegas»

ETAOI: Este é um daqueles teclados que todos sonham ter, mas que poucos sabem dominar. Colorido e com apenas cinco teclas, parece ser demasiado limitado, mas a verdade é que permite escrever a velocidades superiores em comparação com os teclados normais.

Teclado 3 (2)

Criado como alternativa para quem procura um teclado bastante reduzido, este teclado minimalista para android permite-te ver a maior parte do ecrã. Claro que, como todas as tecnologias, contém um pequeno problema para quem está já formato aos teclados comuns, uma vez que para atingires esta velocidade de escrita tens de dedicar algum tempo de aprendizagem e treino para escreveres de uma forma quase «musical».

Cada tecla tem uma letra base, com gestos de deslizar a dar acesso às letras vizinhas. E para além disso, contêm alguns gestos e desenhos para escreveres rapidamente símbolos, emoticons e tudo mais.

Teclado 1

No vídeo abaixo podes ver um pouco mais sobre a explicação do funcionamento deste teclado inovador:

Já no vídeo seguinte, apresentamos-te uma demonstração da velocidade de escrita do teclado:

A impressora que «devora» papel

A Stack é aquele tipo de impressoras que qualquer pessoa gostaria de ter. Com esta impressora, o funcionamento resume-se simplesmente a colocá-la no topo de um monte de papel e ela própria encarregar-se-á de ir imprimindo, puxando folha após folha da parte inferior e pousando-as na parte superior. Tudo isto a uma velocidade alucinante.

Este é um conceito que apela à simplicidade e à remoção de tudo o que é supérfluo, embora contenha uma forma bastante futurista. Apesar de (ainda) não estar à venda no mercado, o inventor desta «maquineta» espera que apareça algum fabricante interessado nesta invenção, de forma a ajudar a dar os últimos retoques para o fabrico de uma versão comercializável se tornar possível.

Impressora que devora papel (1)