Com um cartaz bastante alternativo e suficientemente eclético, o Vodafone Paredes de Coura arranca amanhã, como habitualmente, nas margens do rio Taboão. Serão cinco dias de música e muito mais. O Espalha Factos guia-vos entre os palcos.

Dia 1. Terça-feira, 13 de agosto

O primeiro dia de festival é para montar as tendas, preparar as sombras, visitar a vila e começar a fazer amigos. Por isso os concertos concentram-se no Palco Vodafone FM, vulgo tenda. Tape Junk, O Bisonte, Sensible Soccers, Moullinex e The Filthy Pigs são os nomes portugueses a dar o pontapé de saída.

Se não puderem ver mais nada, não percam Sensible Soccers, que deram um belo concerto no Warm Up Vodafone Paredes de Coura e acabam de lançar o videoclip para o single Sofrendo por Você.

Dia 2. Quarta-feira, 14 de agosto

O segundo dia do festival vai ser para muitos festivaleiros o primeiro. Ainda em modo de arranque, a música continua a concentrar-se na tenda que abrirá com The Discotexas Band, pouco antes das 8 da noite.

O primeiro nome estrangeiro a subir ao palco será Unknown Mortal Orchestra, projecto que vem apresentar o seu mais recente trabalho, II, editado pela Jagjaguwar. Prometem um indie rock musculado com laivos psicadélicos e são um dos concertos a não perder.

A festa de receção continuará ao som de músicas mais ritmadas de Alabama Shakes e de Bombino. Os primeiros, que passaram pelo Super Bock Super Rock o ano passado,  para apresentar o aclamado Boys & Girls, oferecem o melhor da soul e do blues rock, enquanto o guitarrista e cantor tuareg nigeriano Omara “Bombino” Moctar nos trará os sons quentes da world music de Nomad, o seu mais recente disco, produzido por Dan Auerbach dos The Black Keys.

http://www.youtube.com/watch?v=Ss9Znucx4GM

Dia 3. Quinta-feira, 15 de agosto

É feriado católico e mantém-se. O Dia da Assunção de Maria será, certamente, dia de subida ao norte do país de muitos interessados em ver um dos nomes mais intrigantes do festival: o duo sueco The Knife. Na bagagem trazem Shaking the Habitual e espera-se um espetáculo audiovisual certamente imprevisível.

http://www.youtube.com/watch?v=W10F0ezCTIQ

Antes disso já terá havido festa com Everything Everything, Jagwar Ma, The Vaccines e Hot Chip no palco principal, tudo nomes que prometem animação e muita folia com sons indie pop, indie rock e indietronica.

Não avisámos ainda, mas neste festival não há música má, por isso as escolhas serão difíceis. É que no Palco Vodafone FM Veronica Falls e sobretudo TOY são nomes a não perder. Os londrinos deram que falar com a sua aclamada estreia, homónima, no ano passado, e o facto de terem figurado em imensas listas de final de ano faz deles uma das bandas mais esperadas do festival.

Pela madrugada dentro a música é de dança, com o espanhol John Talabot (a prometer um dos melhores concertos do festival desde que o vimos brilhar no Lux e no evento XX Night & Day) e a dupla londrina The 2 Bears (que integra Joe Goddard (dos Hot Chip) e Raf Rundell.

Dia 4. Sexta-feira, 16 de agosto

O dia começa com a doçura de Noiserv e o garage rock dos barcelenses Glockenwise, nomes portugueses que já dispensam apresentações. No Palco Vodafone FM tocam os Citizens!, que nos deram a deliciosa True Romance, e na tenda, logo de seguida, os ingleses Peace, que acabam de passar por Glastonbury e nos trazem o seu disco de estreia In Love.

Para os que não se importam com correrias ainda há o punk rock dos dinamarqueses Iceage na tenda, para depois se assentar arraiais no palco principal e assistir ao concerto de The Horrors, em apresentação do seu último registo, Skying, obra que, à semelhança dos seus antecessores, está repleta de músicas épicas ricas de guitarras e teclados ao alto.

http://www.youtube.com/watch?v=sJQk0jDZx8o

A substituir os The Kills, que tiveram de cancelar, chegam os Echo & the Bunnymen, banda histórica que levará uma geração dos 70s e 80s a adquirir bilhetes pontuais para ouvir uma espécie de best of da banda de Liverpool.

Pela noite dentro as toadas mais eletrónicas de Simian Mobile Disco e Delorean prometem fazer dançar os corpos dos festivaleiros.

Dia 5. Sábado, 17 de agosto

Os corpos podem até já estar cansados, mas os mergulhos no rio e o ‘chillanço’ na relva ajudarão a uma última e grandiosa noite de concertos. As hostilidades serão abertas pelos magníficos minhotos Black Bombaim e de seguida há que correr para a tenda para ver Ducktails, projeto de Matt Mondanile, paralelo a Real Estateque vem apresentar The Flower Lane, lançado este ano.

E a noite vai ser assim de saltitanço entre os dois palcos. De um lado e de outro teremos para ver dois dos projetos mais interessantes da música internacional do corrente ano: Palma Violets e Phosporescent, que mostrarão os argumentos que os colocam já nas listas de melhores discos do ano.

No palco principal apresentam-se dois pesos pesados da música indie (e dois dos primeiros nomes a serem anunciados neste festival): Belle & Sebastian e Calexico. Ambas bandas muito queridas pelos portugueses (já fomos felizes com eles no Coliseu de Lisboa e no Santiago Alquimista, respetivamente), terão certamente uma legião de fãs na frente do palco para os abraçar e entoar alguns dos seus temas mais conhecidos

http://www.youtube.com/watch?v=CQwcqwHvrus

A noite terminará em festa com o DJ Sets de Justice e XXXY ( e que pena temos de não serem concertos).

No Palco Jazz na Relva, a partir das 15h30 tocam Naco, M3 e Let This Jam Roll, para quem precisa de descansar ou ressacar, enquanto que outros dão mergulhos ou andam em barquinhos de borracha. Sim, este ano São Pedro vai ser amiguinho e o tempo promete ser quente e seco.

Para informação mais detalhada consultem a página oficial do evento.