O festival Queer Lisboa anunciou hoje, em Conferência de Imprensa, as primeiras novidades da sua 17ª edição, que terá lugar de 20 a 28 de setembro no Cinema São Jorge, em Lisboa. O Queer Lisboa 17 – Festival Internacional de Cinema Queer conta este ano com 93 filmes, entre longas e curtas-metragens.

E Agora? Lembra-me, de Joaquim Pinto, terá a sua estreia nacional no dia 22 de setembro, como parte da secção Panorama. A estreia mundial do filme acontecerá no Festival de Locarno, onde fará parte do Concurso Internacional. O documentário acompanha um ano de ensaios clínicos para o tratamento do vírus da Hepatite C, que alterna entre o presente e memórias, refletindo sobre questões como as doenças e a globalização. Joaquim Pinto é casado com Nuno Leonel, e ambos assinam a fotografia, som e montagem do filme.

A programação da secção Queer Focus foi divulgada na íntegra. Este ano foca-se nos cruzamentos entre as geografias humanas e a sua relação com a cidade. Nesta secção destaca-se Boy Eating the Bird’s Food, uma filme grego que retrata o percurso de um jovem que perde tudo, na Atenas de hoje. Os outros filmes da secção são The 727 Days without Karamo, de Anja Salomonowitz, Gut Renovation, de Su Friedrich, Mondomanila, de Khavn, e Wildness, de Wu Tsang. A Queer Focus contará ainda com um debate que pretende abordar questões relacionadas com a realidade portuguesa.

600px_620513732330442703

Na secção Queer Art, foram dados a conhecer três filmes: Gore Vidal: The United States of Amnesia, de Nicholas Wrathall, o documentário sobre o político, ensaísta e escritor norte-americano Gore Vidal, falecido em 2012, que capta as últimas entrevistas antes da sua morte; Wonder Women! The Untold Story of American Superheroines, de Kristy Guevara-Flanagan, um olhar sobre as figuras femininas enquanto heroínas na história dos comics, da televisão e do cinema norte-americanos; e Bette Bourne: It Goes With the Shoes, de Jeremy Jeffs e Mark Ravenhill.

O trabalho de David Bowie estará em destaque este ano no Queer Pop, ele que, ao longo da sua carreira desafiou conceitos de sexualidade e género, tendo já um importante legado em termos audiovisuais que continua a influenciar novas gerações. Esta sessão do Queer Pop revisita telediscos como John, I’m Only Dancing, ou o mais recente The Next Day.

Foram ainda conhecidas as 12 curtas-metragens em competição na secção In My Shorts, competição de filmes de escolas europeias. A ESTC – Escola Superior de Teatro e Cinema é a instituição portuguesa convidada desta primeira edição do In My Shorts. O júri será composto por profissionais da área do cinema, e o filme vencedor assinará um acordo com a distribuidora italiana The Open Reel.

Associada ao Queer Lisboa 17, haverá uma edição especial do –mente (estrutura de programação, criação e comunicação de trabalhos de diferentes disciplinas artísticas em espaços fora do circuito cultural convencional): o Queer-mente. Tudo acontecerá no Ministerium Club, no dia 21 de setembro, às 23h00, e reunirá artistas a quem foi lançado o desafio de apresentar uma criação sobre o conceito de “transgressão” sugerido pela temática queer. Entre os nomes já confirmados estão João Grosso, Vítor d’Andrade e José Neves, Fernando Santos, Dário Pacheco e José Aparício Gonçalves, Solange Freitas e Isabel Moreira.

A 26 e 27 de setembro, a ZDB será palco da At Home with Little Joe, uma parceria entre a revista de cinema inglesa, Little Joe, os artistas plásticos João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira e o Queer Lisboa. Das 19h00 às 2h00 da manhã, uma instalação acolherá projeções, sob o tema da domesticidade.

Para apresentar estes primeiros destaques da programação e atividades paralelas do Queer Lisboa 17, estiveram presentes na Conferência de Imprensa o Diretor Artístico João Ferreira, a Diretora Ana David e o Programador Nuno Galopim.

No dia 4 de setembro serão anunciadas mais novidades: a programação completa, atividades, júri internacional e convidados.

Inês Moreira Santos