Nos próximos dias 21 e 22 de junho, a Culturgest é o local escolhido para uma revisita à peça A Sagração de Primavera. No ano em que a peça começa o seu 100º aniversário, a artista Olga Roriz decidiu dirigir e interpretar a obra após 36 anos de carreira como bailarina e intérprete e com nove solos criados para dança.

A Sagração da Primavera, criada por Nijinsky e Stravinsky, comemora 100 anos. A 29 de maio de 1913 estreava no Teatro dos Campos Elísios, em Paris, a história de uma jovem rapariga que é escolhida para ser sacrificada. A jovem tem de dançar até morrer para que as flores e os frutos consigam nascer.

“Algo ficou por dizer, tanto ficou por ser dito”, começa por dizer a coreógrafa Olga Roriz sobre a sua primeira criação para a revista à A Sagração da Primavera“Pretendo encontrar um outro estar, uma acumulação do mesmo mas sempre em renovação, jamais entendido”, afirma que a artista que pretende “ignorar tabus, reescrever a história, acrescentar referências  e criar o momento.” 

Entre os dias 25 e 29 de maio, a Companhia Nacional de Bailado (CNB) apresentou no Teatro de Camões uma versão da peça. Esta versão da obra foi coreografada por Olga Roriz e contou com a interpretação musical da Orquestra Sinfónica de Lisboa. Nesta versão, a artista propõe-se a dirigir e a dançar aos 57 anos de idade.

Olga Roriz é natural de Viana do Castelo e tem formação em Dança da Escola de Dança do Teatro Nacional de S. Carlos e também da Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa. É criadora de mais de 90 obras na área da dança, teatro e vídeo e é criadora de várias peças para companhias nacionais e internacionais de bailado. Em 1995 fundou a sua própria companhia e é vencedora de inúmeros prémios, entre eles destacam-se o 1º Prémio do Concurso de Dança de Osaka-Japão (1988), o Prémio Almada (2004) e no ano passado ganhou o prémio Latinidade.

A Sagração da Primavera é exibido durante os dias 21 e 22 deste mês, sexta-feira e sábado respetivamente, no Grande Auditório da Culturgest às 21 horas e 30. O preço dos bilhetes é 12 euros. Pessoas com menos de 30 anos pagam cinco euros.