MiaCouto-2

Mia Couto vence o Prémio Camões

O autor de livros como A Confissão da Leoa e Raiz de Orvalho é o vencedor, deste ano, do Prémio Camões, a distinção literária mais importante da língua portuguesa. O prémio tem um valor de 100 mil euros.

Mia Couto foi distinguido devido “à vasta obra ficcional caracterizada pela inovação estilística e a profunda humanidade“, afirmou José Carlos Vasconcelos, um dos jurados, à Lusa. O anúncio foi feito segunda-feira, no Rio de Janeiro.

Com cerca de 30 livros, os trabalhos de Mia Couto são valorizados pela “criação e inovação verbal”, além de que o autor apresenta “uma cada vez maior solidez na estrutura narrativa e capacidade de transportar para a escrita a oralidade”, acrescenta o jurado.

Traduzidos em 24 línguas, os seus livros têm ultrapassado fronteiras, sendo o escritor um dos mais conhecidos a nível mundial.

O júri foi composto por Clara Crabbé Rocha (filha de Miguel Torga), José Carlos Vasconcelos, os brasileiros Alcir Pécora e Alberto da Costa e Silva, e pelos escritores José Eduardo Agualusa e João Paulo Borges Coelho.

À Lusa, Mia Couto confessou estar “surpreendido e feliz“, por ter sido galardoado com o 25º Prémio Camões. Segundo noticia a Sic Notícias, o escritor adiantou que, com o valor do prémio, gostava de criar um projeto que dê “espaço aos jovens escritores moçambicanos” uma vez que todas as semanas vários jovens batem à sua porta com manuscritos para serem avaliados. O autor afirmou que este gesto lhe causa “muita impressão“.

Não existe instituição em Moçambique que possa receber esta gente, que possa organizar um momento que é essencial, que é escutar, olhar aquele texto preparado pelo jovem e poder ver se ali há uma potencialidade de alguém que pode ser amanhã um escritor“, salientou.