daniel lima
Ilustração de Daniel Lima, em exposição na Ilustra 33.

Ilustração portuguesa em exibição na Central Station do Cais do Sodré

A Central Station, o edifício renovado da antiga estação dos CTT, no Cais do Sodré, recebe até ao próximo domingo o melhor da ilustração em Portugal, numa mostra integrada no XV Festival do Clube de Criativos de Portugal. Selecionados pelo curador Jorge Silva, 33 artistas compõem a Ilustra 33.

Trinta e três é a capicua que traduz o número de artistas e o valor simbólico de cada trabalho exposto. Inicialmente, estavam estabelecidas as barreiras entre os 25 e os 30 artistas, mas a direção do evento decidiu levar a brincadeira a sério e acrescentou mais alguns ao certame.

A seleção pôs de parte o cartoon e a banda desenhada, explica o curador, por querer focar-se apenas na ilustração e esta mostra percorre todos os estilos que Jorge Silva considera relevantes, desde a ilustração para a infância, a mais convencional, a de imprensa (que assegura estar em vias de extinção) e as novas tendências, entre as quais destaca as auto-edições e as linhas marginais a fervilhar sobretudo na Invicta e associadas a galerias.

Os trabalhos em exposição são recentes, não têm mais de três anos, todos os autores são ativos e estamos, portanto, perante uma mostra de ilustração contemporânea, avant la lettre.

A participar estão: Afonso Cruz, Alex Gozblau, André Carrilho, André da Loba, André Lemos, André Letria, André Ruivo, António Jorge Gonçalves, Bernardo Carvalho, Catarina Sobral, Cristina Sampaio, Daniel Lima, Gonçalo Viana, Hugo Henriques, João Fazenda, João Maio Pinto, José Manuel Saraiva, Jorge Colombo, Júlio Dolbeth, Madalena Matoso, Mariana a Miserável, Mariana Rio, Marta Monteiro, Nuno Saraiva, Pedro Campiche (Corleone), Pedro Lourenço, Rui Vitorino Santos, Ricardo Cabral, Susa Monteiro, Tiago Albuquerque, Tiago Manuel, Wasted Rita e Yara Kono.

A Ilustra 33 está aberta até domingo, na Central Station, junto ao Mercado da Ribeira, das 14h às 20 horas.

 

 

 

 

Mais Artigos
Rita Sanches: “o processo de produção é sempre um conjunto de memórias do que ouvimos”