A final da Taça de Portugal de Futebol, disputada no Estádio do Jamor no próximo domingo, vai ter uma transmissão «ao nível dos campeonatos da Europa e do Mundo» pela RTP 1, adiantou hoje em conferência de imprensa Miguel Barroso, director-adjunto de informação do canal.

O jogo disputa-se a partir das 17 horas do dia 26, mas a emissão especial levada a cabo pelo primeiro canal tem prevista uma antevisão detalhada e «algumas novidades» no pós-jogo. Miguel Barroso adiantou que tanto o SL Benfica como o Vitória de Guimarães concordaram num acompanhamento mais próximo dos jogadores e equipas técnicas por parte da estação.

Com uma promoção «reforçada» ao longo de toda a semana, o especial Taça começa no sábado, entre as 14 e as 19 horas, com o programa Aqui Portugal, apresentado por Jorge Gabriel e Sónia Araújo, a ser emitido em direto das imediações do Estádio Nacional, onde vão ser acompanhados os preparativos para a «festa». Os mesmos apresentadores vão conduzir o programa Prova Rainha entre as 11h30 e as 15h45 de domingo, apenas interrompido pelo Jornal da Tarde, às 13 horas.

A partir das 16 horas, para lá das habituais imagens das cerimónias, convívio dos adeptos e das imagens via helicóptero, a RTP terá também a possibilidade de entrevistar alguns jogadores logo à chegada ao estádio. Sobre as novidades na cobertura dos momentos a seguir à final não foram revelados detalhes. A emissão especial acaba às 20 horas.

As decisões dentro das quatro linhas vão ser acompanhadas por 20 câmaras, entre as quais uma câmara aérea, e uma tecnologia de hiper slow motion para a repetição de alguns lances. O relato da partida fica a cargo de Alexandre Albuquerque e os comentários serão da responsabilidade de António Tadeia.

Questionado por um jornalista do Diário Económico sobre os custos associados a esta transmissão, o diretor-adjunto da informação da RTP 1 assegurou que os valores são «semelhantes» aos do ano anterior.

Hermínio Loureiro, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, realçou a importância de este jogo ser transmitido em sinal aberto, numa altura em que os portugueses têm cada vez menos acesso ao futebol de forma «gratuita». Prometeu ainda que as cerimónias que antecedem a partida serão «inéditas».