AAL

AAL reembolsa lesados na Semana Académica de Lisboa

Na sequência dos acontecimentos registados na última noite da Semana Académica de Lisboa, a Associação Académica de Lisboa (AAL) publicou no Facebook uma nota com a sua versão dos factos e garante que quem se viu impedido de entrar no Salódromo «por questões de segurança» poderá ver devolvido o preço do bilhete.

Os lesados deverão dirigir-se à sede da AAL, situada nas naves 3, 4 e 5 da Rua da Cintura do Porto de Lisboa, em Santos, durante a tarde de amanhã, das 15 às 19 horas.

Durante a noite de sábado, a confusão e os incidentes ocorridos à entrada do recinto, motivados pelo enorme fluxo de pessoas para assistir ao concerto de Sean Paul, resultaram em muitas críticas públicas à organização, grande parte delas visíveis na página oficial de Facebook da AAL. «Entrada muito pequena», «bilhetes a mais para a capacidade do recinto» ou a má prestação da equipa de segurança são as principais falhas apontadas.

No texto publicado, os dirigentes da Associação Académica lamentam que os avisos «exaustivos» para que as pessoas chegassem cedo ao recinto tenham sido ignorados, e acusa os que quiseram obter «à força» bilhetes num momento em que já se encontravam esgotados de serem os responsáveis pela desordem ocorrida. Acrescentam que a PSP se viu «obrigada a encerrar a portaria do evento para que a ordem se estabelecesse no local», dado «o número de furtos de bilhetes na massa que chegou ao evento».

Com o encerramento das portas, diz a AAL, vários grupos «decidiram atacar a bilheteira, arremessando objectos, pondo assim em causa todo o sistema logístico da Semana Académica de Lisboa, obrigando a equipa responsável pela bilhética, por questões de segurança, a abandonar o local». Logo que a ordem foi restabelecida, «entrada no recinto procedeu-se de forma habitual, com a devida segurança e organização», ressalva.

Confrontados com queixas relativas ao livro de reclamações, que alegadamente não foi disponibilizado naquele momento conturbado, a organização explica que «foi pedido por um dos presentes na fila, sendo que foi levado ou roubado» e está neste momento na posse da PSP.

O comunicado não pareceu, contudo, suficiente para acalmar a polémica. Entre cerca de uma centena de comentários, muitos deles extensos, há quem insista na «inexperiência e ingenuidade», na falta de «prevenção» para estas situações e até quem acuse a organização de estar a prestar falsas declarações, mas também se podem ler opiniões que destacam a humildade da organização em explicar os factos e responder com atenção a grande parte das queixas, bem como elogios ao novo recinto e ao cartaz deste ano.

Mais Artigos
Festival da Canção 2021 Sónia Araújo e Jorge Gabriel
‘Festival da Canção’ ganha 100 mil espectadores face a 2020