Captura de ecrã 2013-05-19, às 18

Queridos de Hollywood: Julia Roberts

Desde 24 de março, e em cada domingo, o Espalha-Factos tem uma nova iniciativa. Depois de, com o A Recordar, termos relembrado grandes atores e atrizes que não viram o seu talento reconhecido (ou apenas tardiamente tal aconteceu) ou caíram no esquecimento, desta vez iremos destacar algumas dos nomes mais Queridos de Hollywood, numa rubrica com o mesmo título.

O enorme sorriso e os longos caracóis ruivos fizeram dela um rosto incontornável na história do cinema, mas foi a sua versatilidade, na comédia romântica e nos papéis mais dramáticos, que a tornaram uma das atrizes norte-americanas mais populares. Julia Roberts começa como a prostituta Vivian em Pretty Woman e é como Erin Brockovich, dez anos depois, que conquista definitivamente o seu lugar ao sol em Hollywood. Entre a dedicação a causas humanitárias, as inúmeras ligações românticas e as ameaças de abandono da carreira, é também uma das atrizes mais bem pagas da atualidade.

Julia Fiona Roberts encanta as câmaras desde 1967, quando nasce na Georgia, Estados Unidos, a 28 de outubro. Gostava de ser veterinária, mas acaba por estudar jornalismo e, aos 17 anos, vai viver para Nova Iorque para perseguir o sonho de ser atriz. É o irmão, Eric Roberts, quem a ajuda a conseguir o primeiro papel importante, em Blood Red, mas já antes contracenara com Liam Neeson em Satisfaction e mostrara o seu charme em Pizza, Amor e Fantasia. Mas é em 1990, com Pretty Woman: Um Sonho de Mulher, que se transforma numa estrela de um dia para o outro. Ao lado de Richard Gere, com quem voltará a contracenar mais tarde em Noiva em Fuga, o público conhece melhor esta jovem atriz de sorriso aberto e oferece-lhe até uma nomeação para o Oscar, a segunda já, depois de Flores de Aço (1989).

pretty-woman-Julia-Roberts-look

Aos 23 anos tinha já um séquito de fotógrafos à sua volta e espalham-se os rumores de drogas e anorexia, com o seu emagrecimento. No entanto, a sua carreira prolifera com Dormindo com o Inimigo, A Escolha do Amor, Dossier Pelicano, Amor e Mentiras ou a participação, como Sininho, no filme Hook, de Steven Spielberg. Uns melhores, outros piores, sempre na onda das comédias românticas a que nos começa a habituar ao longo dos anos 90. Época em que também tem uma participação especial na série Friends e casa com Lyle Lovett, dez anos mais velho, com quem fica de 1993 a 1995, quando o casamento termina.

Jules, como é chamada pelos amigos, passa depois por filmes como Mary Reilly, Michael Collins, Toda a Gente Diz Que Te Amo (musical de Woody Allen), bem como por outra participação televisiva na série Lei e Ordem. É uma fase mais calma da sua carreira, mas nem por isso mais tranquila: começam os rumores do surgimento de uma “nova Julia Roberts“, com candidatas como Sandra Bullock, Julia Ormond ou Julianne Moore. Só em 1997, quando regressa com O Casamento do Meu Melhor Amigo, onde Roberts contracena com Dermot Mulroney e Cameron Diaz, e Teoria da Conspiração, ao lado de Mel Gibson, volta a sentir-se amada pelo público.

Notting Hill, de 1999, é a comédia romântica por excelência, com Hugh Grant a partilhar o estrelato com a atriz norte-americana, que faz curiosamente o papel de atriz norte-americana, apaixonada por um livreiro britânico. Notting Hill é o palco da ação, do romance e de mais um sucesso a juntar à carreira da nossa “querida” desta semana, mostrando-a como uma verdadeira estrela de Hollywood que, aos poucos, se ia assumindo como tal.

erinbrok 5

A entrada no novo milénio traz a Julia Roberts a confirmação do seu talento traduzida em prémios. O Oscar para melhor atriz chega logo em 2001, entre Noiva em Fuga e A Mexicana, com o drama biográfico Erin Brockovich, do ano 2000. Um papel de protagonista que exige muito de Julia Roberts, forçando-a a aprender a escrever com a mão direita, sendo ela canhota, para mais se parecer com a personagem, a juntar à dificuldade de representar no cinema uma pessoa ainda viva, ainda para mais uma mãe solteira desempregada que abalou as bases da sua pequena vila e de uma grande empresa. O cachet que recebe pelo papel torna-a a primeira mulher a superar a barreira dos 20 milhões de dólares. Esquece-se de agradecer à própria Erin Brockovich, mas afirma “eu adoro o mundo!” e arrecada também um dos seus três BAFTAs com este filme.

É considerada uma das pessoas mais bonitas do mundo – disse-o a revista People em 2000, mas muitos outros tops menos oficiais continuam a incluí-la. Tem a sorte de ter contracenado com grandes estrelas do cinema e de ter namorado com algumas delas também. Liam Neeson (com quem viveu), Kiefer Sutherland (de quem esteve noiva), Jason Patric, Matthew Perry e Benjamin Bratt foram alguns dos atores com quem manteve relações românticas. No filme A Mexicana, com Brad Pitt, Julia conhece o futuro marido, o cameraman Danny Moder, com quem casa em 2002 e do qual tem atualmente três filhos. Mas antes disso há ainda lugar para O Par do Ano e Ocean’s Eleven, numa nova colaboração com Steven Soderbergh (uma das quatro da sua carreira), novamente contracenando com Brad Pitt – e para um longo escândalo nos media sensacionalistas, com a sua relação com Bratt e o casamento de Moder ainda a decorrer.

O Sorriso de Monalisa, em 2003, é outro dos seus sucessos, a juntar a Closer – Perto Demais e Ocean’s Twelve, ainda antes do nascimento dos filhos gémeos. É com o primeiro que ganha, mais uma vez, cerca de 25 milhões de dólares, um dos seus salários mais altos da indústria de Hollywood. A partir daí é novamente uma época pouco próspera para a sua carreira, com o tempo que os dois filhos lhe ocupam. O regresso acontece inicialmente com a participação no videoclip de Dreamgirl, de Dave Matthews Band, em 2005, vídeo esse que demora 12 dias a ser filmado na perfeição – e ao qual a própria atriz procura dar tudo de si, sendo também ela fã assumida da banda. O palco está pronto para o seu regresso ao grande ecrã, o que acaba por se dar com Jogos de Poder, com Tom Hanks, depois de dar voz a dois filmes animados.

notting_hill

Não abandona a carreia como diz que pode vir a fazê-lo, e ainda bem. Estreia-se na Broadway em 2006, ao lado de Bradley Cooper e Paul Rudd, na peça Three Days of Rain, e é embaixadora da Lancôme, um dos rostos da UNICEF e de outras campanhas humanitárias pelo mundo fora, usando a sua imagem em prol do bem. Os filmes mais recentes são bastante conhecidos por todos nós: mais comédias românticas, talvez não tão épicas como o sucesso Pretty Woman, mas que continuam a granjear-lhe reconhecimento. Dupla Sedução, Dia dos Namorados, Comer, Orar, Amar Larry Crowne, que a volta a juntar a Tom Hanks, são o seu percurso até 2011. O último filme lançado é Espelho Meu, Espelho Meu! Há Alguém Mais Gira do Que Eu?, que a leva a mostrar um lado negro diferente do que mostrara até à data. Em preparação encontram-se agora August: Osage County e o filme para televisão The Normal Heart, para 2013 e 2014 respetivamente.

Versátil, portanto. E bonita, e charmosa, e querida dos amantes de cinema. Já lá vai o tempo em que era criticada, na escola, por ter uma boca grande e usar óculos grossos. Fez do seu sorriso e sua imagem de marca e chegou até onde chegou graças à sua persistência e vontade de ir mais além. A notoriedade foi-lhe permitindo, aos poucos, ir escolhendo os papéis que de facto queria fazer – e, embora nem sempre o tenha feito adequadamente, a História não se esquecerá da queridinha de Notting Hill ou de O Sorriso de Monalisa, que vimos crescer desde Vivian Ward.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Séries portuguesas
Dez séries portuguesas que não podes deixar de ver