Esta segunda temporada da série da FOX New Girl (ou Jess e os Rapazes, na versão portuguesa) conseguiu ser um bom seguimento da primeira, cumprindo as expectativas formadas no fim da temporada anterior.

Voltando ao início. Temos um grupo de três roommates únicos e com personalidades bem ao jeito deste tipo de sitcoms. Jess (Zooey Deschanel) é a nova rapariga na casa e sofre, ela própria, da mesma weirdness dos seus colegas de casa: Nick (Jake Johnson), Schmidt (Max Greenfield) e Winston (Lamorne Morris). Juntos e acrescentando-se Cece (Hannah Simone), a sua melhor amiga, fazem uma série de chorar a rir do início ao fim de cada episódio. Para mim, uma das mais divertidas e bem construídas da última década, criada por uma jovem autora: Elizabeth Meriwether.

Não podemos dizer que esta segunda temporada tenha começado com a mesma força da anterior, já que os primeiros 4 episódios foram  engraçados mas nada tão emocionantes como os da primeira temporada. O melhor foi mesmo o episódio 5, Models, em que Jess dá uma prova de amizade a Cece fazendo-se passar por modelo e substituindo a amiga numa sessão fotográfica…o que acaba por não correr da forma mais “normal”, mas nada que não fosse de esperar desta rapariga desajeitada (que nós adoramos!): Jessica Day.

Nesta temporada Jess fez trinta por uma linha (incluindo  vestir uma fatiota de Elvis num funeral): fingiu ser outra pessoa (chamada Katie) e “saiu” durante algum tempo com o que parece ser um namorado perfeito, apenas com um senão: não era o tipo de rapaz de assumir relacionamentos. Esta história vai ter continuação e, a dada altura, parece mesmo que o romance porque todos (ou quase todos) torcemos – Jess & Nick – poderia estar por um fio graças a Sam (David Walton), que lá decide pedir Jess para namorarem “a sério”. Chegamos mesmo a temer que este médico sedutor subtraia Nick da equação durante o episódio 12, Cabin. Esta dúvida paira no ar, principalmente quando Jess & Sam e Nick & Angie  vão passar um fim de semana rural juntos.  Mas os fãs podem respirar de alívio. Os últimos episódios da série demonstram que, pouco a pouco (e mesmo com outros casos amorosos de ambas as partes) Jess não pode viver sem Nick Miller e ele já não sabe como agir perante os seus sentimentos por ela.


O episódio que me fez ter orgulho de seguir a série: O episódio 15, Cooler, como não poderia deixar de ser. Foi aquele episódio em que disse em plenos pulmões “finalmente!!” Sim, finalmente Nick Miller agarra Jess pelo braço e beija-a como há muito se esperava que acontecesse (vídeo abaixo). Afinal de contas eles foram feitos um para o outro.

“I meant someting Like That” (Nick)

http://youtu.be/kY8WimVNHfw

 

O episódio que me fez atirar o comando ao ecrã: Sem dúvida, o episódio que se seguiu ao beijo de Nick & Jess, o episódio 16 (Table 34) em que ambos se evitam mutuamente e tentam agir como se nada tivesse acontecido (negação!) em nome da sua amizade e do facto de Jess ainda namorar oficialmente com Sam. (ups!) Parece que este episódio é irritante, sim, mas também é um alívio quando no final Jess tem de contar ao namorado a verdade sobre  o beijo e, desolados, terminam o namoro.  Ainda assim, nada disto é fácil e nunca é bom vermos a nossa querida  Jess a chorar baba e ranho…

 

Melhor personagem: Jess (Zooey Deshanel). Ainda que exista quem ache que ela é irritante, eu não concordo e não consigo entender. Por razões óbvias e porque me revejo muito nesta persona: divertida, destrambelhada, alguém que adora os seus amigos, polka dots e sobremesas. Sem esta rapariga a série não seria DE TODO a mesma!

 “A personagem”: Schmidt. Não era possível falar de New Girl sem referir “A personagem” de entre as personagens. Só ele diz o que diz, só ele faz o que faz. Só ele é adorado por todos e consegue irritar os seus maiores amigos com uma piada digna do Douchebag Jar. Ele é único e porque existe para nós, teve de ser inventado!

Melhor romance: Jess & Nick. Arrisco-me a dizer que estavam todos à espera destes dois se entenderem de vez! Acertei?

Melhor história: O Episódio 23 Virgins no qual os 5 amigos contam as suas peripécias de adolescentes ou jovens adultos e da sua primeira vez. A história mais bem contada foi a de Jess. Mas todo o episódio me arrancou muitas gargalhadas!

Pior personagem: Nesta série, considero quase todos bons atores e personagens com muita garra e personalidade, tendo de escolher o que menos gostei aponto o jogador de futebol americano Jax McTavish (Steve Howey), que não foi mais do que o “bobo da corte”. Talvez por culpa do papel de “sentimentalão com músculos” que lhe foi atribuído… Foi realmente pouco engraçada a sua prestação nesta segunda temporada.

Melhor personagem que não fala:  Tran (Ralph Ahn), o melhor conselheiro de banco de jardim!

Episódio mais aguardado da temporada: Os dois episódios em que a relação de Jess e Nick avança: em First Date e Virgins, onde eles passam finalmente para o “próximo nível”, num momento espontaneidade.

A maior desilusão da temporada: Quando Cece diz aos amigos que vai mesmo casar com Shivrang (Satya Bhabha) deixando obviamente Schmidt desolado. Ainda que eu não tenha acreditado nisso, o decorrer da série fez-me ficar seriamente em dúvida…

Expectativas para a próxima temporada: Desenvolvimentos no relacionamento de Nick e Jess e do segundo par favorito, Cece e Schmidt. Mas também que a personagem do Winston (Lamorne Morris) se desenvolva mais, achei que não foi muito aprofundado o seu potencial nesta segunda temporada.

Uma nota para o último episódio da temporada Elaine’s Big Day (25) em que Cece não casou com Shivrang, não por causa da sabotagem de Schmidt  e Winston, mas porque ambos chegam à conclusão que não é aquilo que querem já que os dois estão apaixonados por outras pessoas (Cece por Schmidt e Shivrang por Elaine – personagem interpretada por Taylor Swift!).

Foi um final de temporada doce, já que Nick e Jess enfrentam juntos as suas dúvidas sobre se darão certo ou não (isto porque o pai de Jess lhe diz que Nick não é homem para ela, porque se revê nele quando tinha a mesma idade) e percebem (mais uma vez!) que não conseguem viver um sem o outro.  

Para este desfecho, que soa a um daqueles clichés adorados por todos, o papel do amigo Winston foi muito importante, já que ele deu um sábido conselho a Nick para não desistir dos seus sentimentos à primeira dificuldade:«when things get messy you just run away, but you know there are other moves. Go..!»

Terceira temporada,“Let’s Go!”

Nota final: (8,5/10)