Revenge segue para a sua segunda temporada, na qual continuamos a ser levados na jornada incessante de Emily Thorne, nascida Amanda Clarke para vingar a morte do  pai, David Clarke. Apesar de a primeira ter o mesmo mote, esta temporada trouxe tamanhos desenvolvimentos na trama, que chega a transformá-la num emaranhado de histórias e personagens, tornando difícil assimilar todas as informações (ainda mais quando existe o já habitual hiatus pelo meio).

Não obstante, praticamente todas as personagens que surgem ao longo dos episódios vêm revelar dados novos sobre o enredo ou, na maioria das vezes, explicar eventos do passado que ainda permaneciam incógnitos para o espetador. Dentro do leque de novas personagens destaca-se Aiden pelo seu grau de envolvimento com algumas das linhas principais da história: Aiden tem um passado com Emily; também procura vingança pelo rapto da sua irmã Colleen, que mais tarde se sabe morta; e ainda se envolve com os Grayson, na tentativa de chegar mais perto da enigmática Iniciative.

É à volta dessa organização que toda a ação da temporada se desenrola, sendo que as vinganças individuais que caracterizaram a temporada de estreia foram praticamente inexistentes.

822x

Revenge é uma série caracterizada pelas constantes surpresas e plot-twists ao longo dos episódios e esta temporada não fugiu à regra: desde o facto de Victoria e Charlotte não terem morrido no final da temporada passada, até à revelação da identidade de Falc0n, um hacker legendário segundo as palavras de Nolan.

No entanto, é no episódio final duplo de aproximadamente uma hora e meia que se dão os momentos mais imprevisíveis da série, que levam o telespetador numa montanha-russa de emoções imprópria para cardíacos. Talvez a revelação mais inesperada da série tenha sido o facto de Conrad Grayson afirmar que, afinal, não existe Iniciative, esta é uma fachada para um consórcio de empresários experientes, do qual ele faz parte, e que têm como objetivo causar o caos e o pânico entre as pessoas de modo a lucrar com isso.

A temporada encerra com uma das cenas mais dramáticas da série: de modo a impedir que Jack disparasse sobre Conrad, Emily revela a sua verdadeira identidade, não conseguindo evitar as lágrimas: ela é a sua amiga e paixão de infância, Amanda Clarke.

xvvxvvd

 

O episódio que me fez ter orgulho de seguir a série: talvez o episódio 18 (Masquerade) seja o que reúne mais condições para ganhar este título. Emily volta a direcionar as suas atenções para Victoria quando descobre que esta tem mais um filho, o qual deu para a adoção quando era adolescente. Enquanto isso, Jack torna-se consultor na campanha de Conrad, numa tentativa de se vingar pela morte de Amanda. É também neste episódio que a Iniciative mata Padma e que Aiden, como forma de vingar esta morte e a da sua irmã, assassina um dos agentes da Iniciative. Tudo isto se desenrola num ambiente dramático característico de um baile de máscaras, fazendo-nos lembrar a primeira temporada.

O episódio que me fez atirar o comando ao ecrã: o episódio 14 (Sacrifice), quando Amanda morre nos braços de uma Emily impotente e fragilizada. É uma morte frustrante na medida que, a troca de identidades, levou a que a falsa Amanda se envolvesse em situações que facilmente levariam à sua morte. A relação entre as duas era bastante forte e datava já do tempo em que se conheceram no reformatório. Deste modo, a morte de Amanda acaba por não passar de um equívoco: no seu lugar deveria estar Emily que se vê agora incapaz de impedir a morte da amiga. Esta morte veio constituir também uma das poucas fragilidades que já vimos em Emily – ela não conseguiu estar um passo à frente dos acontecimentos, como é habitual.

Melhor personagem: é impossível não achar que Victoria Grayson é das personagens mais brilhantes da série. Podemos considerar Victoria como uma vilã mas, ao mesmo tempo, é possível simpatizar e até sentir compaixão por ela. É, sem sombra de dúvidas, uma mulher forte mas acaba por revelar algumas fragilidades que a tornam extremamente interessante. Além disso, a personagem interpretada de forma brilhante por Madeleine Stowe é uma caixinha de surpresas: quando pensamos saber tudo sobre ela, eis que surge algo que nos prova o contrário.

822x (1)

Pior personagem: sem dúvida, Daniel Grayson (Josh Bowman). O filho mais velho de Conrad e Victoria é apenas um peão no meio de todos os esquemas dos pais e de Emily Thorne, não conseguindo encontrar o seu lugar na trama. É um jovem perdido, cuja família nunca representou um apoio (muito pelo contrário), e que se vê envolvido num meio perigoso do qual não consegue sair.

Melhor romance: este não é uma série propriamente rica em romances arrebatadores e, por isso e por não sentir até agora que exista um romance digno da nomeação, estabeleço o melhor bromance: Emily e Nolan. É inquestionável a ligação forte entre os dois e é dos pares que se complementam melhor: Emily mais focada na sua vingança, evitando distrações; Nolan sempre pronto a deixar escapar uma piada, mesmo nas situações mais adversas. É definitivamente a amizade mais interessante na série.

A maior surpresa da temporada: as maiores surpresas, à semelhança da temporada anterior, têm lugar no último episódio. Tal como apontado anteriormente, a cena que mais inesperada foi quando Conrad revelou a Victoria a verdadeira atividade da Iniciative, que afinal não existe. Depois de duas temporadas em que a organização fictícia se tornou um fantasma na vida de muitos dos habitantes dos Hamptons, é deveras surpreendente a revelação de Grayson.

822x (2)

A maior desilusão da temporada: talvez a facilidade com que o legendário Fa1c0n foi destruído por Nolan. Durante toda a temporada, Nolan descreveu Fa1c0n como o seu adversário mais direto, sendo talvez até melhor que ele na área dos computadores e do hacking. Tudo isto para que o legendário prodígio da informática, que afinal se revelou ser uma mulher jovem, se deixasse apanhar no tempo de um episódio. Esta personagem poderia ter sido melhor explorada, ainda mais quando existiram tempos mais parados ao longo da temporada.

Expectativas para a próxima temporada: muito sucintamente, descobrir o que vai acontecer a seguir nos vários planos que foram deixados no ar. Depois do depoimento de Padma, como irá Nolan provar a sua inocência? Como será que terminou o confronto entre Aiden e Daniel? Como irá Charlotte reagir à morte de Declan? Qual será o plano de Victoria depois da revelação de Conrad? Como irá Jack agir agora que sabe que Emily é a verdadeira Amanda?

Para obter as respostas a todas estas perguntas, resta-nos esperar pela 3ª temporada já confirmada pela ABC.

Nota: 8/10