Desde 24 de março, e em cada domingo, o Espalha-Factos tem uma nova iniciativa. Depois de, com o A Recordar, termos relembrado grandes atores e atrizes que não viram o seu talento reconhecido (ou apenas tardiamente tal aconteceu) ou caíram no esquecimento, desta vez iremos destacar algumas dos nomes mais Queridos de Hollywood, numa rubrica com o mesmo título.

Nesta semana, o Espalha Factos apresenta Jack Nicholson, um dos maiores e mais premiados atores de sempre que conta com uma carreira recheada de excelentes filmes, que marcaram tremendamente o último século.

Biografia

John Joseph “Jack” Nicholson nasceu no dia 22 de abril de 1937 em Manhattan, e cresceu a acreditar que a sua avó era a sua mãe, quando, na realidade, a sua suposta irmã June era a sua verdadeira progenitora. O ator descobriu a verdade apenas aos 37 anos, através de um jornalista da revista Time que estava a trabalhar num perfil do ator. Também nunca chegou a saber verdadeiramente quem era o pai biológico e decidiu não investigar sobre essa matéria.

Começou o seu percurso no mundo da representação com o grupo Players Ring Theatre. Os seus primeiros trabalhos foram em algumas séries de televisão e o seu primeiro filme a estrear nas salas de cinema chamava-se The Cry Baby Killer, de Jus Addiss, e produzido por Roger Corman, com quem trabalhou noutros projetos conhecidos pela violência, terror e conteúdo sexual.

Jack ficou também conhecido pelo seu consumo de drogas, incluindo o do LSD, que deixou de consumir após, certa manhã, ter acordado numa árvore. No entanto,  continuou a usar outro tipo de drogas que lhe forneceram a inspiração para escrever os argumentos de filmes com temas claramente psicadélicos e surrealistas, como Head ou The Trip.

O filme The Trip (1967) teve como protagonistas Peter Fonda e Dennis Hooper, que em 1969 trabalharam juntos no conhecido filme Easy Rider. Depois de Rip Thorn ter desistido, no último minuto, da personagem de George Hansom, os dois atores pediram a Jack para substituí-lo, o que lhe valeu a primeira indicação ao Oscar de Melhor Ator Secundário.

jack em easy rider

Jack Nicholson em Easy Rider em 1969

Jack Nicholson possui ainda uma conhecida imagem de marca em Hollywood. Para além de estar normalmente acompanhado dos seus óculos de sol, o seu sorriso e a sua gargalhada são inconfundíveis e complementam perfeitamente a sua expressão lunática, meio maníaca. Talvez tenha sido isso que conferiu tanta autenticidade às suas personagens mentalmente instáveis, que interpretou por diversas vezes ao longo da sua carreira, como o Joker em Batman (1989) ou Jack Torrance em The Shining (1980).

O ator, realizador, argumentista e produtor marcou também a imprensa cor-de-rosa de Hollywood com os seus variados relacionamentos e casos amorosos. Sandra Knight a primeira mulher com quem casou, passando posteriormente para a sua relação mais longa de sempre (17 anos) com a atriz Anjelica Huston. Tem ainda dois filhos com Rebecca BroussardLorraine e Raymond, e ainda Caleb de um outro relacionamento com a atriz Susan Anspach.

Jack and son

Jack com o filho Raymond, partilhando a sua paixão pelo basquetebol

Este apreço pelas mulheres originou provavelmente a maior polémica em que o ator esteve envolvido. Christine Sheehan, uma ex-prostituta, afirmou que ao ter pedido dinheiro a Jack pelos seus serviços, o ator agrediu-a, o que a levou a processá-lo em tribunal e a conseguir ganhar 33 mil dólares.

Uma das mais recentes histórias de Hollywood protagonizadas por Nicholson remete para a 85ª cerimónia dos Oscars na qual o ator tem um primeiro encontro, um quanto inesperado, com a atriz Jennifer Lawrence, que tinha acabado de ganhar o seu primeiro Oscar na categoria de Melhor Atriz pelo filme Guia para Um Final Feliz. Segue o vídeo abaixo.

http://www.youtube.com/watch?v=Upw1w2yXZs0

Principais filmes e prémios

Jack Nicholson participou em diversos filmes, e em grande parte deles deixou interpretações memoráveis, pelo que a tarefa de nomear alguns deles poderá não ser a mais simples. Na verdade, há filmes que recordamos por simples gestos do ator em cenas que marcaram para sempre a história do cinema.

Um dos grandes papéis a que o ator está associado será, sem dúvida, Jack Torrance, um escritor que espera encontrar tranquilidade com a família num hotel isolado mas que acaba por sentir a presença espiritual do mesmo, no filme The Shining, de Stanley Kubrick. Ninguém se irá esquecer de uma das cenas finais “Here comes Johnny”, em que o protagonista está completamente envolvido num estado de loucura e violência, numa interpretação fantástica de Nicholson.

http://www.youtube.com/watch?v=WDpipB4yehk

De igual forma, foi Joker, um dos vilões mais apreciados na história do Cinema, em Batman de Tim Burton, recomendado pessoalmente pelo criador do super-herói Bob Kane. O seu papel valeu-lhe não só o apreço dos fãs da série e dos amantes de cinema em geral, como também foi um dos seus mais bem-sucedidos filmes financeiramente, sendo que consta que recebeu 60 milhões de dólares correspondentes à sua parte dos lucros da película.

Um dos maiores filmes do século XX em que participou foi, sem dúvida, Voando sobre um Ninho de Cucos do realizador checo Milos Forman, onde deu vida a McMurphy, um criminoso que declarava ter insanidade mental para escapar aos seus deveres prisionais e que, por essa razão, acaba por ir parar a uma instituição mental. McMurphy sofre uma incrível evolução enquanto personagem, genuinamente transmitida por Nicholson, ao desafiar a repressão e a tradição, numa luta pela liberdade que dura até ao final do filme. Voando sobre um Ninho de Cucos, foi um dos filmes que valeu a Jack Nicholson o Oscar de Melhor Ator, em 1976.

Melhor é Impossível de James L. Brooks, tal como filmes mais recentes em que ator tem trabalhado, como Nunca é Tarde Demais, apresentam-nos um intérprete com um lado mais sereno e tranquilo, um ser humano como tantos outros que enfrenta as complicações físicas e emocionais da vida. Longe do crime e da violência que caracterizaram outros dos seus personagens (como Costello em The Departed), em Melhor é Impossível, Nicholson encarna Melvin Udall, um escritor obsessivo-compulsivo que trava uma amizade com o vizinho gay depois de este ter sido brutalmente espancado e de lhe ter confiado o seu cão. A história gira em torno destes dois personagens e da empregada Carol, e na forma como os três vão estabelecer uma relação improvável, onde descobrem o lado mais sorridente da vida.

melhor é impossível

Numa das mais icónicas cenas de “Melhor É Impossível”

Jack Nicholson é o ator com mais nomeações para os Oscars, doze, e que, juntamente com Michael Caine, é o único que foi nomeado em cinco décadas diferentes, a de 60, 70, 80, 90 e no início dos anos 2000. Destas nomeações arrecadou três estatuetas, sendo que duas delas são relativas à categoria de Melhor Ator Principal, em Voando sobre um Ninho de Cucos e Melhor é Impossível. Em 1984, foi Laços de Ternura que lhe valeu o prémio para Melhor Ator Secundário.

Por esta razão, é o ator que possui mais Oscars em Hollywood, estando taco a taco com os também fantásticos Daniel Day-Lewis e Walter Brennan. Para além dos prémios da Academia, Jack venceu sete Globos de Ouro e três BAFTA. Em 1994, tornou-se num dos mais jovens atores a serem condecorados com o prémio do American Film Institute Life Achievement.

Jack Nicholson merece destaque no Queridos de Hollywood pelo seu carisma, genuinidade e genialidade. Tem sido uma figura que divide opiniões, mas cujo mérito é absolutamente reconhecível, especialmente por ter entrado no mundo do cinema tão discreta e lentamente e ter acabado por o revolucionar.