thehost_032813_1600

Nómada: Para lá do Olhar

Esqueçamos os rótulos associados à saga Twilight. Nómada (The Host) não é mais uma história sem pés nem cabeça a que Stephenie Meyer nos habituou nos filmes de vampiros que deram tanto que falar.

No novo filme, produzido pela escritora e realizado por Andrew Niccol, somos confrontados com uma história no campo da ficção científica que tem tudo para ser original. O filme começa por introduzir-nos num planeta Terra à beira da perfeição – sem guerra, sem poluição, sem doença -, contudo sem humanos.

Uma espécie extraterrestre dominou a terra. Ao tomar posse dos corpos dos seres humanos, apagam-lhes as memórias e passam a agir como uma entidade única. A sua única diferença física em relação aos humanos nota-se no olhar, que adquire um tom azul metalizado.

10

A paz estaria garantida – e o filme terminado – se não existisse um conjunto de humanos que resistem à invasão. Melanie Stryder, interpretada por Saoirse Ronan, é uma dessas resistentes. Em fuga constante com o namorado Jared (Max Irons) e com o irmão Jamie (Chandler Carterbury), acaba por ser apanhada. Ainda assim, luta contra a alma com quem tem de partilhar o corpo: Nómada.

Melanie procura levar Nómada, através das suas memórias, a compreender a importância da sua família e da necessidade de cumprir uma promessa pendente. Assim, a invasora torna-se uma aliada – renunciando à sua própria espécie – e ajuda Melanie a encontrar a família. Mas encontrarão mais do que isso: um grupo de humanos que vive escondido numas grutas no meio do deserto.

E é aqui que se torna relevante falar de uma das personagens mais interessantes desta trama, a Batedora, interpretada por Diane Kruger. Contrariando os ideais de paz e harmonia da própria espécie, esta alma vive inquieta por encontrar o rasto de Nómada. Enceta praticamente uma guerra aberta para encontrar a protagonista e os restantes humanos que falta transformar. É a ambição levada ao extremo.

Nómada – agora rebatizada de Noa – encontra nas fortificações uma família, depois de dar provas da sua boa vontade, evitando por várias vezes que estes sejam identificados pela Batedora e pelas suas tropas. Mas é aqui que o filme começa a perder alguma da intensidade e ritmo iniciais, quando Noa se apaixona por Ian (Jake Abel).

01

O filme acaba por se transformar num romance assombrado pelas possibilidades de falhar. Duas almas, um corpo, dois rapazes. As situações de dúvida instauram-se, deixando para segundo plano todo um potencial da ficção científica que deu mote ao início do filme, embora sempre a um nível muito ligeiro. Um filme de ficção científica para adolescentes, se pudéssemos descrever a película numa única expressão.

Stephenier Meyer insiste na ideia de que o amor é a chave para tudo, que todos têm direito a um final feliz e de que os bons sentimentos triunfam – o que acaba por (quase) arruinar todo o excelente conceito de arranque do filme. Ainda assim, Nómada não perde nunca o suspense e a possibilidade de tudo acabar mal até ao último minuto.

Com interpretações que roçam o razoável e uma banda sonora que intensifica a ação, Nómada é um daqueles filmes que engloba, indiretamente, um conjunto de questões muito interessantes sobre o futuro da humanidade. Esqueçamos as histórias de amor com fórmulas instantâneas bem como os clichés dos finais felizes e temos aqui um bom filme. Não uma obra-prima, mas um bom filme tendo em conta o género e o target adolescente a que se dirige.

7.0/10

Ficha Técnica:

Título Original: The Host

Realizador: Andrew Niccol

Argumento: Stephenie Meyer e Andrew Niccol

Elenco: Saoirse Ronan, Max Irons, Jake Abel, Diane Kruger

Género: Ação, Aventura, Romance, Ficção Científica

Duração: 125 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Fita Isoladora Nazaré novelas
Podcast. As novelas já são um produto de exportação?