IMG_2391

Best Youth + We Trust no CCB : O melhor de dois mundos

O Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém encheu-se, no passado sábado, para ver aquele que é, provavelmente, o melhor casamento da música portuguesa dos últimos anos: a união de Best Youth e We Trust deu origem a There must be a place, projeto do qual surgiu um disco conjunto e uma digressão por todo o país.

Sendo bastante pontuais, os There must be a place subiram ao palco para tocar, sem interrupções, os temas Waiting, Nice face e Too kind to mind, enquanto ainda se viam chegar alguns espetadores que preenchiam os poucos lugares vazios da sala.

Tocados os 3 primeiros temas, foi tempo para as apresentações do coletivo (que é, segundo André Tentugal, uma das vozes do grupo e vocalista dos We Trust, a maneira mais trendy de apresentar o conjunto), às quais se seguiram os temas Again e Freedom bound, com o público já a acompanhar as letras, contagiado pela energia do grupo, ainda que impedido de dançar pelos lugares sentados, invejando os músicos pela sua liberdade para dançar em palco.

IMG_2495

Seguiu-se Shouts, possivelmente um dos temas mais fortes do álbum e que resulta de forma absolutamente estrondosa ao vivo. É impossível ficar-se indiferente, não só ao poderosíssimo instrumental conseguido pelo coletivo, mas sobretudo à voz aveludada e sensual de Catarina Salinas.

Depois de uma pequena pausa para recuperar o fôlego, em que André Tentugal conta que foi precisamente em Lisboa que surgiu a ideia de as duas bandas tocarem juntas, foi a vez de Once at a time, tema clássico dos We Trust, cantado em coro pela plateia do CCB, ainda que apenas na expressão que dá nome ao tema. “Um dia, alguém vai saber o resto da letra”, comentou, com razão, André Tentugal.

IMG_2374

Tell me something, o primeiro single do coletivo, foi um dos pontos altos do concerto, numa versão incrível com direito a um mash-up, na parte final, com o tema Dreams, dos Fleetwood Mac. Tempo depois para a parte mais intimista do espetáculo, desta vez sem baixo nem guitarra, ao som de Them Lies (tema dos We Trust e o momento “para telefonar àquela pessoa mais especial”) e Hang Out, um dos mais conhecidos temas dos Besth Youth, ao qual se seguiu um cover belíssimo e inesperado: Playground Love, dos Air, cantado a pares entre Ed e Catarina, André e Sofia (a teclista do coletivo).

“Obrigada por fazerem parte de nós” foi o agradecimento emocionado dos músicos antes de Time (better not stop), no qual, espontaneamente, toda a plateia do Pequeno auditório se levantou,  dançando e extravasando toda a energia acumulada desde o início do espetáculo. A dança continuou em Surrender, outro dos melhores momentos da noite, com o público do CCB a formar um coro que continuaria a cantar, mesmo já sem os músicos em palco, até ao seu regresso.

When all the lights are down marcou as despedidas, mas foi em Summer que a festa aconteceu, terminando o concerto em beleza. Durante mais de hora e meia, as emoções estiveram completamente ao rubro no CCB: o espectáculo de There must be a place foi bem mais que um concerto. Foi uma explosão de emoções, com temas de todas as cores, dos mais intimistas aos mais dancáveis.

IMG_2827A união entre Best Youth e We Trust é, de facto, o casamento perfeito, visto que os temas de ambos benificiam com a sonoridade do outro: os Best Youth ganham uma maior robustez do que na versão Ed & Catarina + Baterista, enquanto os We Trust veêm o seu som (ainda) mais melódico quando conjugado com a dupla maravilha.

As harmonias vocais perfeitas, a cumplicidade em palco e a humildade e simpatia dos músicos (comprovada pelos fãs que puderam ainda trocar algumas palavras com a banda, no final do concerto), faz com que os There must be a place, apesar do fim anunciado com o final da digressão, sejam um projeto que better not stop.

A próxima paragem da banda será no próximo dia 13 de março, na Casa da Música, no Porto.

Fotografias por João Churro

Mais Artigos
Jogos Olímpicos
RTP anuncia planos de transmissão dos Jogos Olímpicos de Tóquio