Captura de ecrã 2013-03-3, às 17

David Fonseca: dez anos de sonhos coloridos no Coliseu

Pouco passava das 21h30 quando David Fonseca surgiu em palco, perante um Coliseu dos Recreios praticamente cheio e já emocionado, mesmo antes de o ouvir cantar. Seasons – Rising : Falling serviu de pretexto para dez anos de carreira comprimidos em duas horas e meia de concerto, numa viagem por canções que todos sabemos de cor. Os corações bateram em uníssono em Lisboa. Não podíamos querer mais nada.

Under the Willow abre o concerto, numa agradável noite de sábado na capital portuguesa. Uma bola de espelhos olha-nos do cimo do palco enquanto David Fonseca começa a eletrificar o Coliseu com a sua energia toda. Aquecemos com Armageddon, mas é com o regresso a Our Hearts Will Beat As One e A Cry 4 Love que começamos a entrar no espírito.

O músico pergunta “Como estão todos?” e diz que pretende “correr um pouco de tudo” neste concerto, introduzindo uma das suas favoritas de sempre, Who Are U. É o primeiro grande momento da noite, com as vozes do público unidas sob um céu estrelado, o que volta a acontecer logo de seguida com o uníssono de Someone That Cannot Love. Um retorno mágico a duas das suas primeiras canções que não podia deixar indiferentes os fãs presentes no Coliseu.

DSCF4182

Intercalando temas mais recentes, como It Means I Love You, com clássicos como Silent Void, senta-se ao piano para nos contar histórias, num momento, e noutro está já a sair do palco para tocar um solo de guitarra elétrica mais perto da plateia. Faz umas gracinhas, usa o seu humor aguçado. “A maior parte do tempo estamos só a tentar escapar à realidade”, diz sobre ser músico, antes de entrar no caminho obscuro de Beating Of The Drums.

Kiss Me, Oh Kiss Me é outro dos pontos altos de uma noite que ainda estava bem longe do fim. Sim, o amor é um tema transversal às letras e músicas do nosso David Boy, mas esta tem um sabor especial. Apetece mandar-lhe beijinhos para cima do palco e dar-lhe todos os nossos corações. Há quem o tenha feito. A maioria, contudo, mostrou o seu apoio através da sincronização das palmas, que em All That I Wanted se transforma numa onda calma e romântica de vozes sussurrantes. “Para todos os que estão aqui e têm um coração secreto”, diz ele. Como um segredo bem guardado.

Esperavam-se surpresas, claro. Luísa Sobral surge numa das bolas presentes no palco, numa “ligação à casa” especial para o dueto It Shall Pass, mas acaba por aparecer efetivamente em palco a meio da canção, para delírio geral. Sempre bonita, encanta com esta balada e oferece o seu single de estreia, Not There Yet, a David Fonseca, que a torna um country-jazz com banjo e harmónica. Uma grande versão em dueto que espero que alguém tenha registado para a posteridade.

DSCF4222

Entretanto o cenário vai mudando. De um universo com planetas e estrelas para uma reprodução mais ou menos fiel do local de ensaios, mais intimista e acolhedora, e mais tarde para um mundo imaginado de balões e sonhos e cores. David vai inserindo no alinhamento pedaços de músicas de grandes nomes, que conhecemos e cantamos, como We Are Young, dos Fun, ou Heroes, de David Bowie, ou ainda Hurt, dos Nine Inch Nails, que interpreta à sua maneira na totalidade.

O primeiro adeus ao concerto é dado de forma eletrizante, com The Raging Light, um coro em Stop 4 a Minute e particularmente com o delírio de Superstars II, que nem sequer fez questão de introduzir. É após uma passagem do músico pela plateia e pelo balcão lateral que a longa espera pelo encore consegue ser suportada, regressando de pijama e sentado ao piano com músicas do novo álbum.

Para além de entertainer nato, apostando largamente na componente performativa do seu espetáculo, David Fonseca é também um contador de histórias. Fala-nos de como lhe ligam a meio da noite a recitar a lista telefónica ou a dizer apenas “I Just Called To Say I Love You”. Interage com o público, que lhe responde, berra e sussurra “amo-te” e outras coisas bonitas. Canta em micros que caem do teto, faz caras estranhas, fala ao telefone enquanto canta e usa uma lanterna para adornar a sua atuação. Mais do que um concerto, assistimos a uma verdadeira performance. Incluindo confettis.

DSCF4283

E a bela Feels Like Something prepara o terreno para a cover de Lithium, dos Nirvana, que os fãs elegeram para David Fonseca cantar nesta noite mágica. Com o apoio do público e uma camisa de flanela, dedica a versão ao próprio Kurt Cobain, que certamente gostaria de a ter ouvido. Agradece aos fãs pelos últimos dez anos de canções a solo, depois do início de carreira musical com os Silence 4, e só apetece agradecer-lhe a ele por um concerto que não queremos que acabe. The 80s prolonga esse sentimento, esta alienação do mundo real, recriando um imaginário disco que tanto nos faz dançar.

Mas o fim está próximo. “Agora é o momento em que canto sozinho em palco”, afirma. U Know Who I Am ouve-se na sua voz e nas das centenas de pessoas que não o deixam estar verdadeiramente sozinho no palco. Como um concerto destes não pode terminar com uma balada, David Fonseca brinda-nos com uma What Life Is For poderosa, forte, depois de a ter tocado a meio do concerto numa versão mais calma e quase acústica. Oferece balões à plateia e até ao esvaziar da sala a luta por um dos balões coloridos não termina. Todos queremos um.

Fica para a memória uma noite de recordações, onde faltaram apenas canções como Dreams in Colour ou Rocket Man. Quase duas horas e meia de muita adrenalina, encantamento e entusiasmo, passando por cinco álbuns e mais de vinte canções. Podemos não saber “what life is for”, mas ao menos que sirva para vivermos pequenos grandes momentos como estes. Obrigada, David. És uma superestrela.

Fotografias: Beatriz Nunes | Espalha-Factos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Golden Globes 2021. Quem são as estrelas da festa?