Todas noites de quarta-feira o Musicbox, no Cais do Sodré, em Lisboa, abre as portas ao Offbeatz, com entrada gratuita para os amantes da música portuguesa, que encontra, assim, um especial espaço para ecoar.

Depois de ter comemorado a sua 100.ª edição com pompa, circunstância e casa cheia, o Offbeatz voltou na quarta-feira ao seu esquema habitual, com a apresentação de dois videoclips e, seguidamente, dois concertos ao vivo. Na semana passada, o palco do Musicbox recebeu Thomas Anahory, Anarchicks, Inflama e Quarteto Sintético.

A noite arranca com a projecção do videoclip da música The Lonesome Walk Of An Endless Path, de Thomas Anahory. A ideia para a realização partiu de um programa televisivo que o artista viu: foi realizada uma experiência, em directo, na qual foram colocadas vendas nos olhos de algumas pessoas, desafiando-as a andar o mais direito possível; contudo, nenhuma delas conseguiu andar em linha recta. Thomas explica ao Espalha-Factos como o programa lhe fez ponderar as reais circunstâncias da vida: «Isto são coisas comuns a todos. Representa a velha guerra entre a razão e o coração. Há sempre um oposto, porque temos sempre dias muito bons e outros menos bons. Nunca ninguém vai conseguir andar em linha recta constantemente, porque o nosso caminho vai ser sempre com relevos».

O single fará parte do próximo trabalho de Thomas Anahory, que o cantor prevê lançar ainda em 2013. «O novo álbum corresponde a uma fase positiva da minha vida», acrescenta. Thomas adianta ainda ao Espalha-Factos que o sucessor de So Much Of Me contará com um tema natalício impulsionador de uma reflexão sobre a figura do Pai Natal e do modo como «se tornou numa entidade que criamos para satisfazer os nossos desejos materiais e que nunca pede nada como prenda de Natal», noção que o artista confessa ir, de certo modo, ao encontro do cerne original do vídeo: «Andamos todos com os olhos vendados».

É a vez de as Anarchicks apresentarem, com uma energia contagiante que lhes é tão característica, Restrainig Order, tema do recém editado Really?!. O vídeo foi gravado na loja dos Storytaylors, a par do lançamento da colecção AnarChic. «Nota-se muito que a gente se divertiu?», brinca a baterista Catarina Henriques. Em conversa com o Espalha-Factos, a banda fala do dia de gravações: «Aquilo somos nós, nem mais nem menos… Foi um dia de chiqueiro. Sempre a anarchicalhar, como nós costumamos dizer».

As Anarchicks tocaram Dezembro passado no autocarro do Vodafone Mexefest e são já uma das bandas anunciadas para o Super Bock Super Rock deste Verão. Em relação ao grande concerto no Meco, revelam que têm muitas surpresas reservadas, inclusive muitas músicas novas para apresentar. Os novos temas integrarão um futuro trabalho discográfico que as Anarchicks tencionam lançar no início de 2014, adiantam em exclusivo ao Espalha-Factos.

O ambiente no Musicbox é composto por conversas descontraídas e alegres e resvala no duro concerto de Inflama. Praça Inquisidora, Humano, Digam lá senhores, Manif e Foi a loucura foram os originais da banda que constituíram o alinhamento. Temas graves, a par de palavras sombrias que culminaram numa performance extremamente teatral e pesada. Se as letras das canções não despertavam nos espectadores o pensamento, o ar sério e olhos esgazeados do vocalista certamente provocavam algo contraditório no público. A música de Inflama conjuga melodias de rock experimental com graves “gritos do Ipiranga” em modo de skopenword, inteiramente em português. «Não te diminuas perante essa teia que não se vê», repetem incessantemente no tema de abertura, de uma maneira desesperada, quase como se o grupo estivesse a alertar-nos que a raça humana se extinguirá se não o ouvirmos atentamente. O concerto prima, sem dúvida, pelo aspecto bizarro das músicas e da postura dos artistas e pela profundidade que lhe está inerente, bem como pelas letras de intuito interventivo e de carácter forte.

A noite fecha com os Quarteto Sintético, em que o saxofone, a guitarra, o baixo e a bateria se juntam para um concerto puramente instrumental, cheio de swag e boa vibe. A envolvência do Musicbox é, agora, totalmente oposta àquilo que o palco havia experienciado anteriormente com os Inflama. A postura e melodias descontraídas dos Quarteto Sintético levam o público a apreciar o simples gosto pela música, a desfrutar do puro prazer da batida e do ritmo.

Assim termina a 101.ª edição do Offbeatz, respirando-se música, muito boa música. Como é habitual nas noites de quarta-feira.

Fotografia de: Ana Caeiro

* Por opção da autora, este artigo foi escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1945