Um grande espectáculo. Com apenas três palavras conseguimos definir a 55.ª Gala de Entrega dos Grammys, a noite mais importante para a indústria musical. Cheia de momentos memoráveis, com atuações que arrancaram aplausos do público e colaborações verdadeiramente surpreendentes, que vieram mostrar que esta noite não se trata apenas da desejada grafonola dourada, mas também de dar espectáculo.

A noite era de festa em Los Angeles e o STAPLES Center estava preparado para receber uma avalanche de celebridades. Ninguém faltou à festa mais importante da indústria musical, a única que junta todos os géneros musicais num só evento.

À uma hora da manhã (hora de Lisboa), arrancou a festa, com Taylor Swift a ser a primeira protagonista. A responsabilidade não pesou na americana que abriu, e muito bem, a gala com We Are Never Ever Getting Back Together. Os primeiros aplausos da noite foram completamente merecidos.

Os Grammys conseguem brindar sempre o público com colaborações especiais inesperadas, este ano isso não foi excepção. A primeira colaboração da noite e também um dos principais momentos, foi a junção de Sir Elton JohnEd Sheeran. Juntos fizeram uma verdadeira A-Teamum momento muito, mas mesmo muito simbólico, com John ao piano e Ed na guitarra, duas gerações da música britânica juntas.

Os Fun. foram dos mais premiados da noite e também tiveram direito a uma actuação na gala. Introduzidos por Neil Patrick Harris,  que os aconselhou a mudarem de nome para Fun!, por darem diversão a quem os ouve, a banda seguiu à letra o que o actor disse e conseguiu pôr a plateia do STAPLES Center a cantar o seu Carry On.

Os vencedores do cobiçado prémio de Melhor Álbum do Ano, os Mumford and Sonstambém subiram ao palco para tocarem I Will Wait conseguindo uma plateia imparável como só a música mexida dos britânicos consegue.

Ellen DeGeneres Beyoncé tiveram a tarefa de anunciar um regresso muito esperado, o de Justin Timberlake.  Acompanhado com os The Tennessee Kids e com um visual muito retroJustin, apresentou Suit and Tie, o single que marca o seu regresso. Ainda durante a atuação, Jay-Z, levanta-se da plateia e junta-se a Timberlake, para continuar com a música que faz parte do 20/20 Experience, o novo álbum do cantor.

Girl on FireAlicia Keys, juntou-se aos não menos fogosos,Maroon 5 e juntos tiveram uma das performances cantadas da noite. Primeiro a banda de Adam Levine interpretou o novo singleDaylight, com a ajuda de Alicia, mas depois o grande momento desta actuação foi para a nova-iorquina. A versão mais rock de Girl On Fire conquistou todos os presentes, que não pararam de cantar juntamente com Alicia Keys.

Outra Girl, mas que prefere ser chamada de Bad Girl RiRi esteve em palco. Rihanna, subiu ao palco com Mikky Ekko, para interpretar o tema Stay numa versão em acústico. Uma actuação que foi atentamente vista por Chris Brown, o namorado da cantora, que por diversas vezes foi apanhado pela realização do evento.

O grande tributo este ano nos Grammys foi para Bob Marley, o rei da música reggae. Para este tributo subiram ao palco Bruno Mars, StingRihanna e ainda os irmãos Damian Ziggy Marley, juntos cantaram Could You Be Loved, alegremente homenageando um homem que ainda hoje move multidões.

Quem também fez o público cantar, graças a um refrão bem orelhudo e que fica na cabeça, foram os The Lumineers, que levaram aos Grammys o seu Hey Ho. Uma das mais entusiasmadas nesta atuação foi Taylor Swift, que esteve sempre a cantar.

O Senhor RockJack White, também teve direito a atuação, e juntou as suas duas bandas feminina e masculina para interpretarem duas músicas, Love Interruption e Freeedom At 21, que levaram o espírito Rock ao STAPLES Center.

Frank Ocean tinha uma grande quantidade de fãs à sua espera, foi dos últimos a atuar, o americano levou até ao palco dos Grammys Forrest Gump, numa actuação visualmente muito bem montada. Resultou perfeitamente a junção de Frank com os ecrãs gigantes que estavam colocados no palco, no entanto a voz do artista não esteve no seu melhor, o que mereceu críticas.

Por fim, um grande protagonista da noite, LL Cool J, que pelo segundo ano consecutivo foi o apresentador da Gala dos Grammys, regressou ao Rap. Juntamente Chuck D, Travis Barker, Z Trip e Tom Morello, LL fechou em grande a gala, com o seu rap/hip-hop, onde não se esqueceu de homenagear MCA, dos Beastie Boys, que faleceu no último ano, com No Sleep Till Brooklyn.

* Por opção do autor, este artigo foi escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1945.