Foi no domingo à noite, na cidade de Barcelona, que o filme O Impossível, de Juan António Bayona foi distinguido com o prémio Gaudi para a melhor produção cinematográfica europeia. A longa-metragem conta a história verídica de uma família espanhola que sobreviveu a um tsunami no sudeste asiático, em 2004.

Já em exibição em Portugal, O Impossível é  o filme espanhol com a melhor semana de estreia de sempre nas salas de cinema do nosso país vizinho, levando a melhor sobre Dans la Maison, de François Ozon, Le Havre, de Aki Kaurismaki, e Amigos Improváveis, de Eric Toledano e Olivier Nakache, na atribuição do prémio internacional da Academia de Cinema da Catalunha.

Na altura de receber o galardão, Juan António Bayona considerou o filme tão catalão como europeu e disse que se apresentava mais “artista do que burocrata”. Esta que é a sua segunda longa-metragem tem como protagonistas Naomi Watts – nomeada ao Oscar de melhor atriz com esta interpretação -, Ewan McGregor e Tom Holland.

Os prémios Gaudi já vão na sua quinta edição e têm por objetivo premiar a produção da  Catalunha, em concorrência com o prémios Goya, da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas de Espanha.

O Gaudi de melhor realizador foi também atribuído a Juan António Bayona.