condominio_da_rua_©filipe_ferreira_4_168095607350f00f21dd305

Condomínio Degradado

Um esquizofrénico, um traumatizado de guerra, uma toxicodependente, um prostituto, uma alcoólica vítima de maus tratos e uma intelectual que procura encontrar-se a si própria. A mistura é estranha, o resultado em cena também.

O novo trabalho de João Mota procura abordar um problema cada vez mais atual na sociedade portuguesa, a exclusão social, mas acaba por falhar a esse nível. Condomínio da Rua está em cena na Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II até 17 de fevereiro.

Apesar de toda a pesquisa de campo realizada pela equipa ao longo de várias semanas – um trabalho a aplaudir tendo em conta a sua escassa realização para teatro em Portugal -, o resultado em palco não nos parece credível nem verdadeiro. A sensação com que se fica é a de que estamos novamente a assistir a clichés e preconceitos já tão gastos sobre os sem-abrigo quando esse não era de todo o objetivo da peça.

condominio_da_rua_©filipe_ferreira_12_139519268050f00f371dc79

Condomínio da Rua roça o pretensiosismo e torna impossível não colocar em causa a autenticidade do que se passa em cena. Apesar das excelentes interpretações – um aplauso de pé para o esquizofrénico interpretado por João Grosso, bastante credível – é a própria atmosfera da peça que não nos deixa penetrar, viver e sentir a narrativa. Há uma vontade demasiado forçada de sentir a exclusão e os problemas de quem vive na rua.

Não é que as personagens ou as suas histórias sejam más – antes pelo contrário – mas são levadas a um excesso caricatural que não nos deixa acreditar na sua verdade. Além desta vertente, o texto original de Nuno Costa Santos – escrito propositadamente para este espetáculo – puxa demasiado pelo nonsense, o que atribui um lado um tanto ou quanto ridículo a cada uma das personagens. Aqui a lógica de Gil Vicente de ridendo castigat mores é completamente invertida, não funciona.

O que também falha é a forma de transição padronizada entre as várias cenas, aliada a uma deslinearidade da narrativa: são vários quadros soltos, sendo que alguns parecem incompletos ou demasiado pequenos. A valorizar, contudo, a existência de um cenário coeso, evocando um armazém abandonado, repleto de resíduos. No cenário consegue-se sentir, de facto, a tão procurada ideia de degradação do humano que se procura transmitir ao longo da peça.

condominio_da_rua_©filipe_ferreira_15_196904125250f00f41b917a

A destacar ainda a reunião da ‘prata da casa’ do Teatro Nacional D. Maria II que aproveita o seu elenco fixo constituído por João Grosso, José Neves, Lúcia Maria, Manuel Coelho, Maria Amélia Matta e Paula Mora para este projeto. Faz mais do que sentido que, havendo um elenco num teatro, esse elenco seja utilizado e valorizado. Sobretudo quando nos trazem um trabalho de ator relativamente bom e com interpretações muito intensas ao nível físico e emocional.

Fica pelo menos a ideia de que a história dessas personagens poderá eventualmente ser a nossa, tendo em conta as transformações sociais que decorrem do atual estado do país. Todas as personagens tinham uma vida estável até que um episódio repentino as levou à rua. Nenhum de nós estará livre desse risco – é a conclusão a fixar.

condominio_da_rua_©filipe_ferreira_19_57570107750f00f4b5925f

Escrito em colaboração com: André Tenente
Fotografias: Filipe FerreiraTNDMII

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Graça Freitas
Graça Freitas dá ‘Grande Entrevista’ na RTP3 um ano depois da chegada da pandemia