Foi, antes do fenómeno global do Facebook, a principal rede social utilizada, pelo menos nos Estados Unidos e Canadá. O Myspace tenta agora inserir-se novamente no mundo das plataformas sociais, pela mão do músico Justin Timberlake, trazendo novidades na forma de pesquisar e ouvir música.

Justin Timberlake, co-proprietário do Myspace desde 2011, prepara-se para lançar um novo álbum ainda este ano. Entretanto, o cantor e ator norte-americano aposta no “New Myspace”, um regresso esperado já desde setembro do ano passado. Apesar de se encontrar ainda numa versão beta, já é possível aceder ao site e conhecer as novas funcionalidades.

Desde 2008 que o Myspace conheceu grandes críticas da imprensa e do público em geral, dirigidas ao design e às funções do site, bem como reduções avassaladoras do próprio staff, que levaram ao descalabro irreversível da rede social. O domínio crescente de plataformas como o Facebook ou o Twitter e as tentativas de o colmatar, com a possibilidade de conexão a outras redes ou a forte inclinação musical, entre outras atualizações mal concretizadas, levaram mesmo o Myspace a encerrar durante alguns meses.

O novo site do Myspace conta agora com um layout minimalista nas cores e design, mais leve e operacional para tablets e outros dispositivos móveis. Para além da partilha de fotografias e informações, a componente musical é sem dúvida a mais desenvolvida, mas sem a necessidade de ligação ao Last FM ou ao Imeem como em anos anteriores – o próprio site passa a alojar o conteúdo musical numa biblioteca própria. Os artistas e os álbuns estão assim ao dispor do utilizador, que pode “pegar” na música que pesquisa ou que o Myspace sugere, e construir as suas próprias playlists.

O regresso do Myspace ao sucesso que já conheceu não será, no entanto, tarefa fácil. O reduzido investimento em publicidade, a estabilidade e utilização dominante de outras redes e a redundância das próprias funcionalidades relativamente aos serviços já disponíveis são alguns dos fatores  que poderão levar a novo fracasso da plataforma.