Após uma votação organizada pela Porto Editora, o vocábulo “entroikado” foi considerado aquele que melhor representa o ano de 2012, com 32% dos votos. Em segundo e terceiro lugar ficaram “desemprego” e “solidariedade”, respetivamente.

Para os editores dos dicionários de língua portuguesa, o novo adjetivo tem o seguinte significado: “1) obrigado a viver sob as condições impostas pela troika (equipe constituída por responsáveis da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional e que negociou as condições de resgate financeiro em Portugal); 2) coloquial que está numa situação difícil; tramado, lixado.”

Para além das palavras do “pódio”, os 12 500 votantes escolheram ainda “bolsão”, “manifestação”, “cortes”, “imposto”, “refundar”, “democracia” e TSU.

Ana Salgado, linguista da Porto Editora, sublinha que o acrescento do prefixo “en” e do sufixo “ado” “representa por excelência a grandeza da língua porque temos dois elementos na formação de uma nova palavra”. Para além disso, a linguista realça ainda a musicalidade de “entroikado”: “Por causa da sua forma sonora, acho que tem muita força, muita expressividade, embora seja claro que essa expressividade também advém do significado que encerra.”

A lista de palavras candidatas é selecionada pela editora tendo em conta o número de ocorrências em textos escritos disponibilizados em publicações periódicas impressas, em publicações digitais e em alguns textos de ficção pelo grupo editorial. Em comunicado, a editora afirma que “poder-se-á dizer que ‘entroikado’ traduzirá o sentimento geral que se vive no país: os portugueses sentir-se-ão ‘entroikados’, dadas as condições de austeridade impostas pela troika“.

A palavra “entroikado” sucede a “austeridade” como palavra do ano, tendo em 2010 sido eleita a palavra “vuvuzela” e em 2009 “esmiuçar”.