Em 2013, a Torre dos Clérigos celebra 250 anos. Durante este ano, a cidade do Porto contará com um vasto programa de eventos de animação e lazer promovidos pela Irmandade dos Clérigos, que terão como objetivo conseguir financiamento para a requalificação do edifício e da igreja anexa, que rondará os dois milhões de euros.

A igreja anexa à torre exige uma requalificação interior, que passará pelo restauro de peças, da capela-mor e dos órgãos. Relativamente à Torre, o objetivo principal é a sua recuperação exterior e a implementação de novas tecnologias, como é o caso das audioguias. A requalificação inclui ainda a limpeza interior e exterior dos espaços.

Segundo o presidente da Irmandade dos Clérigos, Américo Aguiar, estas obras de requalificação pretendem envolver toda a comunidade, contando já com o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), da Direção Regional de Cultura do Norte, da Câmara Municipal do Porto e da Misericórdia, entre outras entidades.

Torre dos clérigos

Esta tarde, por volta das 16 horas, assistiu-se ao concerto de Ano Novo da Banda Sinfónica Portuguesa, na igreja e Ivo Cruz, artista plástico, elaborou uma representação da torre numa tela de cinco metros.

As comemorações dos 250 anos de existência da Torre contam com a participação de 23 estudantes da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), que criaram embalagens para uma edição especial de bombons alusivos ao evento. Os Bombons Clérigus serão confecionados e embalados pela Confeitaria Arcádia e o seu lançamento está previsto para o fim de semana de Reis. Em março está previsto o lançamento de quatro livros sobre a história da Torre, de Francisco Queirós, Germano SilvaHélder Pacheco e Manuel Montenegro.

Outra das ações previstas é a construção de uma réplica da Torre em chocolate, com mais de três metros e 14 toneladas, por um dos alunos de uma escola de hotelaria, sob coordenação do Chef Hélio Loureiro. No entanto, ainda não está confirmada, por necessitar de ajudas de mais parceiros.

A Irmandade dos Clérigos assinou também um protocolo com a Santa Casa da Misericórdia do Porto, que visa criar um circuito de visitas à Misericórdia e aos Clérigos. Outro protocolo criado conta com a participação da Direção Regional de Cultura do Norte, juntamente com a Câmara Municipal do Porto e tem como objetivo a criação de um programa de intervenção no edifício, que pretende criar um espaço museológico dedicado a Nicolau Nasoni, arquiteto da Torre.

Estas iniciativas têm como objetivo fazer uma pequena homenagem a uma das maiores atrações turísticas da cidade e, ao mesmo tempo, captar o interesse de empresas públicas e privadas para a ajuda na manutenção deste património nacional.