Pelos recantos de Lisboa, “(… ) a cidade onde moras / Como quem está de passagem” como descreve Manuel Alegre, encontra-se um espaço dedicado a viajantes especiais: os amantes das bicicletas. O Velocité Café, já nomeado como uma das melhores novidades de 2012 pela revista Time Out, merece com certeza um olhar mais atento da parte de qualquer transeunte. Fica aqui a saber porquê.

Numa banal visita a Lisboa, percorrendo a Rua Marquês Sá da Bandeira, pode reparar-se em algo peculiar logo ao cruzar a esquina em direção à Avenida Duque de Ávila: uma roda de bicicleta encontra-se suspensa, pregada à fachada, captando-nos o olhar e a curiosidade para aquilo que anuncia. É esta a introdução que temos de um espaço realmente inspirado num tema invulgar.

Tudo teve início num hábito a que alguém foi tomando o gosto. João Camolas, um dos proprietários e quem se dispôs a dar uma entrevista, começou há cerca de 3 anos a deslocar-se sobre duas rodas como transporte preferencial, o que o fez “despertar para este mundo”.  A intenção de abrir um negócio inovador, porque “só assim faz sentido”, e a carência de um sítio com materiais e acessórios diferentes para apoiantes da prática foram ingredientes suficientes para avançar com esta ideia, criando um projeto pioneiro em Portugal.

A área destinada ao consumo e ao convivío

A área destinada ao consumo e ao convívio

Este estabelecimento, convenientemente localizado numa zona de planalto junto a uma via de ciclistas, oferece variados serviços: para além de café, é também uma oficina e permite o aluguer e venda de bicicletas. “Quisemos diversificar as áreas de negócio para minimizarmos o risco”, explica o proprietário. Para além de percussor neste formato, o Velocité guarda ainda outros exclusivos nacionais, como é o caso das marcas Cooper e Tokyo Bike. O espaço disponibiliza ainda internet wireless gratuita.

O espaço da oficina

O espaço da oficina

Colaborador procedendo a reparações

Colaborador procedendo a reparações

O pormenor dos bengaleiros

O pormenor dos bengaleiros

Para além do referido, o Velocité Café procura também apoiar iniciativas de grupos de ciclistas independentes. Recentemente, foi de facto do ponto de partida para um passeio de BTT à descoberta dos trilhos de Monsanto, perspetivando-se outros encontros semelhantes.

Quando questionado acerca do impacto deste projeto na comunidade, João Camola afirma que “supera as expetativas”. Verifica um crescendo de atividades no âmbito das bicicletas, como foi exemplo o recente Bicycle Film Festival que decorreu em finais de Setembro. Presentemente, os mais de 4000 gostos na página do facebook parecem confirmar o balanço positivo. Esta é a principal plataforma de comunicação, onde os fãs se podem atualizar com alguma frequência, e através da qual têm também formulado perguntas e mesmo elogiado o projeto.

No entanto, este é um projeto em constante desenvolvimento: a gerência ambiciona ainda uma programação mensal orientada para eventos culturais, como por exemplo exposições de pintura, fotografia ou lançamento de discos. Não é portanto de estranhar a nomeação da Time Out Lisboa para uma das “30 Novidades do Ano 2012”. Sem dúvida, uma ótima novidade.