04

Holy Motors

Tem dividido opiniões, mas para a Cahiers du Cinema ou o site Indiewire é o melhor filme de 2012. Holy Motors estreia comercialmente esta Quinta-feira e vai dar que falar. Leos Carax reuniu uma boa quantidade de ideias que prometiam muito, mas decidiu nada fazer com elas, criando um nonsense que, ainda assim, agrada a muita gente.

 Holy Motors apresenta-nos algumas horas da existência do senhor Oscar, um ser que viaja de vida em vida. Ora é um abastado homem de negócios, ora um assassino, ora um pedinte, ora um pai de família. Ao longo de todas estas experiências ele está sozinho, sendo Céline a única pessoa que o acompanha, aos comandos da imensa limousine que o transporta. Mas afinal, quem é Oscar? Onde fica a sua casa? Onde está a sua família e o seu descanso?

Um elogio ou uma sátira ao trabalho de actor? Um retrato do cinema nas suas mais diversas vertentes? Uma chamada de atenção ao público contemporâneo que não compreende o cinema? O que quer que seja que o realizador tenha tentado transmitir com este filme, certo é que não descobrimos. Leos Carax apresenta-nos um universo sem sentido onde, por muito que tentemos, não conseguimos descortinar nem uma ponta de lógica ou de significância. E é isso que mais deixa o espectador frustrado ao assistir a Holy Motors. Um filme que promete demasiado para aquilo que não oferece.

Numa espécie de prólogo, o realizador entra neste filme a olhar de uma varanda para um cinema, onde a plateia se encontra a dormir perante o ecrã. Mas depois do que poderia ser uma chamada de atenção, assistimos a um divagar, a um desfilar de personagens, histórias, todas elas protagonizadas por Oscar, o protagonista, cujo o emprego parece ser viver vidas de outros, e que nada traduzem no final.  Sobre Oscar nada sabemos para além do nome e certo é que sempre que pensamos ter descoberto algo relativamente a si percebemos que tudo não passa de ilusão. Não o conhecemos em nenhum momento do filme.

Um elemento importante em Holy Motors é a limousine que transporta Oscar para todos os trabalhos que vão surgindo ao longo do dia. Esta surge aqui tal como em Cosmopolis, como um lugar de fuga, o único local onde Oscar abandona as personagens e se encontra a si mesmo, mesmo que continuemos sem saber quem é ele. Ele veste a pele de banqueiro, pedinte, especialista em motion capture, Monsieur Merde, Pai, Acordeonista, Assassino, Vítima, entre outras personagens, e em momento algum encontramos o elo de ligação entre cada um, o motivo para que contribuam para a mensagem que a longa-metragem pretende passar, se é que ela existe.

Há, contudo, dois grandes momentos em Holy Motors e são ambos musicais: o “intervalo”, onde, através do acordeonista e de um conjunto de músicos, Leos Carax nos proporciona um fantástico plano-sequência; e a entrada de Kylie Minogue, que protagoniza a cena romântica da longa-metragem e interpreta o bonito tema Who Were We?. Tecnicamente, a banda sonora e a fotografia são igualmente dois pontos fortes deste Holy Motors.

No elenco, Denis Lavant merece receber todos os louros. Ele interpreta cada personagem com tudo o que ela pede. Seja a classe do banqueiro ou a asquerosidade de Monsieur Merde, o actor entrega-se de forma brilhante a todos eles. Kylie Minogue merece também destaque, apesar da sua pequena aparição, com uma interpretação marcante. A lembrança da personagem Monsieur Merde, já anteriormente interpretada por Lavant, e a subtil introdução da máscara que Céline usa no final de Holy Motors, que é a mesma que a actriz que a interpreta, Édith Scob, utilizou há décadas atrás no filme Les Yeux sans Visage, poderão reforçar a possível homenagem do trabalho dos actores, mas nunca há algo que confirme esta possibilidade.

Leos Carax apostou em algo demasiado experimentalista, argumentativamente confuso, e que não se traduz em nada de concreto. Poderia este ser um filme demasiado pessoal para ser percebido, mas não para ser sentido. E essa ausência sente-se. Chegamos ao fim, com mais uma cena que poderia conferir a coerência e o sentimento que falta ao longo de Holy Motors, mas que afinal não acrescenta nada ao todo.

Seremos nós aqueles espectadores que dormem perante o filme que está a ser projectado à sua frente? Mas afinal, o que é que Carax quer nós vejamos, um aglomerado de ideias não finalizadas? Ou quererá ele acordar-nos para nos contar unicamente os sonhos desconexos que teve na noite passada?

4/10

Ficha Técnica:

Título Original: Holy Motors

Realizador: Leos Carax

Argumento: Leos Carax

Actores: Denis Lavant, Édith Scob, Eva Mendes, Kylie Minogue, Elise Lhomeau, Michel Piccoli, Jeanne Disson

Género: Drama, Ficção Científica

Duração: 115 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos

*Por opção da autora, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
All Together Now
‘All Together Now’ já tem data de estreia definida