Arranca hoje a 16ª edição do Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira,  que decorre até ao dia 09 de dezembro. Longas-metragens e curtas, de ambos os lados do oceano entram em competição: 28 curtas-metragens, seis longas e  quatro estreias mundiais.

A programação surge muito espontaneamente, privilegiamos as novas propostas” afirma Américo Santos, diretor do cineclube da Feira.  Antes apresentação dos filmes haverá uma explicação informal,  de poucos minutos , por parte das pessoas que realizaram, interpretaram e produziram as histórias.  Todos os filmes brasileiros apresentados no festival são inéditos e terão sempre presente um representante.

Do Brasil chega-nos os trabalhos daqueles que são considerados os três maiores realizadores brasileiros de sempre. Glauber Rocha mostra-nos Anabazys; Rogério Sganzela traz consigo duas obras – Mr. Sganzela e Signos da Luz  e Mário Peixoto com Mar de Fogo. Merece também destaque Tropicália de Marcelo Machado, que dará início ao festival.

Portugal apresenta as obras O Facínora, de Paulo Abreu; O Fantasma dos Novais, de Margarida Gil e O Dom das Lágrimas, de João Nicolau, todos produzidos em Guimarães – cidade europeia da cultura no ano de 2012. Destaques ainda para o trabalho de João Botelho, O Bravo Som dos Tambores e André Gil Mata com O Coveiro.