Os grandes prémios europeus da música foram para o ar este domingo e deram-nos um espectáculo que vale a pena recapitular. Com um palco simplista demais, que nos faz desejar estar na edição de 2010 em Madrid, os EMA’s deste ano apresentaram-nos um leque de emoções que é já habitual nos prémios da MTV: desde atuações inspiradoras, a momentos hilariantes, assim como inesperadas revelações e uma série de momentos visuais que não se repetem todos os dias. Aqui está a nossa recapitulação dos MTV Europe Music Awards de 2012.

O início é dado por Heidi Klum, a modelo e apresentadora alemã de 39 anos, com um divertido momento de backstage. Em palco, Klum surge-nos como a rainha de um circo – belíssima até aos olhos mais cépticos – que nos promete dar momentos inesperados. A grande entrada a nível musical dá-se logo a seguir com três artistas: Rita Ora aparece de vermelho para cantar R.I.P., tendo começado com o hit Heartbeat, da artista Nneka, para entrar em palco. Esta foi das melhores atuações, com uma impressionante pirotecnia, boa coreografia e coordenação em palco. Rita Ora conseguiu juntar tudo e dar-nos o seu melhor, compensando a fraca entrada de Klum. Logo após Ora, temos a banda Fun que nos traz o gasto We Are Young. Ao contrário do videoclip, os Fun não partem nada: a atuação foi tão desencorajadora como a afinação do vocalista. Para completar o trio aparece-nos Carly Rae Jepsen com a batida Call Me Maybe. A canção ao vivo não resultou nada bem, contribuindo para isso uma Carly sem a energia que o tema pedia.

Após o primeiro intervalo, Heidi Klum aparece mais ousada, suspensa no ar, para apresentar Lana Del Rey que vai entregar o prémio Melhor Artista Feminina. Del Rey passou o troféu a Taylor Swift, a cantora country que esteve este ano pela primeira vez nos MTV EMA’s. A intérprete recebeu o seu primeiro EMA, no mesmo ano em que – pela primeira vez também – fez uma tour pela Europa. Em seguida tivemos uma Alicia Keys que mostrou logo que estava ali para se afirmar. O novo hit New Day iniciou a sua peformance, sendo que o seu single Girl On Fire tomou as rédeas do resto da atuação. Com uma voz inspiradora, como sempre, Keys trouxe-nos um bom momento musical num registo mais entusiasta do que o habitual.

A próxima a pisar o palco de Frankfurt é Kim Kardashian, que vem entregar o prémio de Melhor Canção. Como não podia deixar de ser, a vencedora foi a música sensação em todos os meios de comunicação: Call Me Maybe. A verdade é que o tema de Jepsen chegou a todo o mundo, tal como Gangnam Style de PSY está a chegar atualmente. Logo a seguir, a deslumbrante Heidi Klum apresenta-nos o tão esperado regresso  dos No Doubt que voltam aos palcos da MTV com o novo single Looking Hot. Com um jogo de luzes bem pensando, a atuação dos No Doubt cumpre com os requisitos mínimos – a vocalista Gwen foi enérgica mesmo com um tema menos catchy -, um bom regresso, diria eu. Klum dá continuação à cerimónia com vários momentos engraçados, pelo que dou aqui uma nota positiva para os guionistas. No entanto, não chegava Kim Kardashian, a MTV tinha de trazer os reis dos reality-shows – o elenco de Jersey Shore – para apresentar a categoria de Melhor Artista Masculino, que acabou por ir parar às mãos de Justin Bieber, sem muita surpresa.

Depois de mais um curto intervalo, The Killers trazem-nos o single Runaways e arrasam no palco dos EMA’s. O ecrã atrás da banda ofereceu-nos momentos visuais espectaculares, assim como a excelente voz do vocalista da banda e a força desta canção: provavelmente um dos melhores momentos desta noite. O troféu para Melhor Artista ao Vivo é entregado logo a seguir pelas mãos de Brett Davern, o protagonista da série Awkward da MTV. O prémio acabou por ir para uma multi-galardoada Taylor Swift que não veio à Alemanha em vão, como seria de esperar. Klum aparece-nos com um traje tipicamente alemão, dando destaque às suas raízes germânicas, sem deixar de proporcionar ao espectador mais um momento hilariante para apresentar a nova sensação PSY com Gangnam Style. O cantor sul-coreano conseguiu pôr toda a plateia a mexer, assim como os nada discretos gémeos que formam a banda irlandesa Jedward que começaram aos pulos no primeiro refrão. O mundo pode já estar farto deste Style, mas a MTV soube aproveitar bem este hit fazendo dele o momento mais interativo da noite. Del Rey volta a aparecer no ecrã dos EMA’s para, num momento surpreendente, receber o prémio Melhor Alternativa das mãos de Sway, um dos apresentadores da MTV.

É também de moda que os Europe Music Awards são feitos, como mostrou Klum acompanhada por dois modelos masculinos ao apresentar a nova categoria: Melhor Look. Este foi mais um dos troféus que Swift levou diretamente de Frankfurt para casa. Na moda estavam também os óculos de Matt Bellamy, o vocalista dos Muse, que cantaram o mais recente tema Madness. Os Muse conseguiram inovar em tudo: desde as guitarras, ao excelente jogo de luzes até ao dubstep bem presente que nos levou a gostar ainda mais da arrasadora Madness. Tal como os The Killers, os Muse presentearam-nos com um dos melhores momentos da noite. Logo depois, a banda britânica One Direction – que já tinha vencido a categoria Melhores Fãs – é galardoada com o prémio Artista Revelação e Whitney Houston recebeu uma homenagem com o troféu Ícone Global.

A continuação é dada por Pitbull numa performance dentro do seu estilo: nada de muito elaborado com algumas bailarinas a darem cenário a esta desencorajadora Don’t Stop The Party. Mais um regresso a caminho: os Jonas Brothers dão ar de sua graça para entregar o MTV EMA Worldwide Act, ao qual artistas de todo o mundo competem. O cantor chinês Han Geng acabou por vencer, derrotando nomes como Rihanna, que representava a América do Norte. Em volta de chamas e com um quente vestido, Klum surge de novo para introduzir David Hasselhoff, o qual  entregou o prémio de Melhor Vídeo a PSY por Gangnam Style.

A festa no Festhalle terminou com Taylor Swift, a grande vencedora da noite, que nos trouxe o seu hit single We Are Never Getting Back Together em mais um momento circense nestes EMA’s 2012. A canção não podia ser mais catchy, deixando Swift longe do seu habitual country, mas dando um grande final a esta celebração.

A lista dos vencedores pode ser vista aqui.