Vai passar a ser preciso a comprar bilhete para entrar na Casa Fernando Pessoa, “com o objetivo de a tornar mais rentável“, declarou ao Público Inês Pedrosa, diretora do espaço.

Apesar de os equipamentos camarários não poderem obter receitas por estarem integrados na EGEAC (Empresa Municipal Gestora de Equipamentos Culturais de Lisboa), há empresa municipal que gere os teatros e os museus – para cuja alçada a Casa Fernando Pessoa agora passou. Por isso, Inês Pedrosa avisou que “isto significa que se pode vender merchandising e cobrar bilhetes: o que será feito”.

De acordo com a diretora deste espaço de Cultura, a razão para esta alteração prende-se com a necessidade de “valorizar” a Casa Fernando Pessoa, “para dar qualquer coisa de novo”, ou seja, mais equipamentos multimédia para o espaço. Acrescentou que “a partir daqui temos a responsabilidade de tornar o equipamento rentável, é sempre um equipamento de serviço público mas pelo menos devemos tentar que não seja deficitário, que possa sustentar-se”.

No entanto, Inês Pedrosa ainda não adiantou a data em que a entrada na Casa Fernando Pessoa deixará de ser gratuita, nem a futura  tabela de preços dos bilhetes.