Em mais uma etapa de Festa do Cinema Francês na Coimbra dos estudantes, ontem foi dia de três obras. O cartaz fez-se de animação, drama e comédia.

Cada vez mais perto de encerrar, a 13ª edição da Festa do Cinema Francês de ontem contou com a exibição da animação Gwen, le livre de sable, o drama Viagem a Portugal e a comédia Le Cochon de Gaza.

VIAGEM A PORTUGAL – 7/10

Baseado numa história verídica, Viagem a Portugal retrata um pertinente tema que, usualmente, tendemos a ignorar. Estamos a 31 de dezembro de 1997, em plena véspera de transição para o Ano Novo. Maria de Medeiros interpreta Maria Itaki, uma mulher ucraniana com tenções de passar um ano em Portugal com Grego, o marido senegalês. Chegada da Europa do Leste, Maria logo traz desconfiança ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, uma vez que pensam que o seu propósito é ingressar no mundo da prostituição. Acrescido ao facto de que, segundo a inspetora, existem muitos negros, tal como o marido, responsáveis pelo negócio. Falando apenas russo e um francês muito básico, sem forma de compreender e ser compreendida, Maria, impossibilitada de estar com Grego que a esperava no aeroporto, é detida e passa o Ano Novo dentro de uma cela, até que, apenas no dia seguinte, recebe a ajuda de um tradutor linguístico. Depois de muitas interrogações, revistas e invasões de privacidade, é informada de que está interdita de permanecer em Portugal. A obra é filmada inteiramente a preto e branco, o que lhe concebe uma frieza que de outra forma não seria possível, em planos estáticos e cenas duplicadas, em que, num primeiro momento, apreciamos a expressão de um interveniente e, num segundo momento, a recção de outro. O realizador, Sérgio Tréfaut, é frio e cru naquilo que pretende retratar, já que a sua intenção é, precisamente, a de alertar para todos estes inúmeros casos semelhantes que escapam ao senso comum. Algures, a inspetora diz que «nós [portugueses] também somos humanos». Dá vontade de rir.

Hoje, já no penúltimo dia, é possível assistir a outras novas três obras. O Teatro Académico de Gil Vicente exibe Le Tableau, Sur la piste du Marsupilami e, a encerrar a noite, Journal de France.