Uma sala quase cheia acolheu ontem, no Centro Cultural de Belém (CCB), os Paus, que, simultaneamente, celebraram um ano do seu primeiro álbum, homónimo, e  apresentaram o novo EP, Estamos Juntos.

Descruzada marcou o início do concerto que seria curto mas cheio de energia, embora a sala, aparentemente, tenha acanhado o público que só para o fim passou de uns abanar de cabeças  e bater o compasso com o pé a algo mais dinâmico.

Hélio Morais saudava o público após as primeiras duas músicas e chamava ao palco You Can’t Win Charlie Brown (YCWCB), convidados já anunciados, para cantarem Deixa-me ser, um dos pontos altos da noite. Os YCWCB continuariam em palco para apresentarem uma das canções do novo EP da banda anfitriã, na qual participam: Carlos é mais calma mas é de intensidade crescente,  e junta à bateria siamesa, baixo e teclado de Paus, duas guitarras clássicas, um xilofone, um teclado, um baixo e um shake dos YCWCB.

Malhão foi dedicado por Makoto Yagyu ao público, que acompanhou a energia da banda com palmas e seguiu para Muito mais gente, outro auge do concerto que serviria para “para tornar o CCB numa sala não tão fria”, disse Hélio Morais.

O público começava a animar, quase no fim do concerto. Salsa Intergaláctica, outra música do novo EP, leva-nos numa viagem que começa num tilintar algo alienígena, passa para uma salsa algo alternativa até um crescendo dos vários instrumentos que culmina numa espécie de “desligar a televisão”, proporcionado pelo baixo.

Fábio Jevelim, responsável do palco de Paus, foi chamado a palco e pegou na guitarra elétrica. Estava na altura de revelar a terceira e última música do novo EP. Cinema Lido foi oferecido por Fábilo Jevelim a Paus e soa a algo mais rockeiro, mas que assenta no estilo do grupo “como uma luva”.

O concerto acaba com Pelo Pulso, uma batida com um toque eletrónico, em que Hélio Morais  e Makoto Yagyu pediram ao público que (finalmente) se levantasse e cantasse, apelo a que a plateia aderiu, sendo poucos os que não se renderam à energia da banda.

Paus, grupo formado por Hélio Morais (bateria siamesa e voz), Joaquim Albergaria (bateria siamesa e voz), João Pereira (teclados e voz) e Makoto Yagyu (baixo, teclados e voz) juntou os membros de várias bandas num novo projeto. Em 2010, iniciaram a sua jornada com o EP É Uma Água e, no ano seguinte, lançaram o álbum Paus, que os levou numa digressão por auditórios, festas académicas, festivais e muitas outras salas nacionais.

Fotografias de Catarina Mendes