Um espectacular e comovente documentário sobre o fim dos LCD Soundsystem que acompanha o último concerto da banda no Madison Square Garden, e o dia seguinte do vocalista James Murphy. Shut up and Play the Hits: O Fim dos LCD Soundsystem é, para além de tudo isso, uma experiência visualmente soberba e passa hoje no Lux, no âmbito da programação do Doclisboa’12. O filme tem estreia comercial agendada para dia 1 de Novembro no Cinema Nimas.

Os realizadores Will Lovelace e Dylan Southern fizeram, sem dúvida, a melhor opção ao acompanhar o anunciado fim da banda norte-americana. A 2 de Abril de 2011 os LCD Soundsystem deram o seu último concerto com casa cheia. Murphy tomou a decisão de acabar com uma das mais célebres e influentes bandas da sua geração no auge da popularidade, assegurando que a mesma se retirava em grande, com o maior e mais ambicioso concerto da sua carreira, que esgotou rapidamente. Foram quatro horas emocionantes que levaram os milhares de espectadores às lágrimas, de alegria e de tristeza.

Primeiramente, não é preciso ser fã dos LCD Soundsystem para ver o documentário, longe disso. A longa-metragem consegue emocionar-nos, mesmo que pouco tenhamos ouvido falar da banda, cujo fim chegou cedo demais. Todo o ambiente parece preparado para nos envolver nas emoções e sentimentos que passam na cabeça de Murphy, de forma a nos contagiarmos por eles. O que ele sente e a explicação das suas opções vão-nos sendo apresentadas através de uma entrevista, dias antes do concerto, e quando entramos na sua intimidade, acompanhando-o ao longo do dia seguinte à grandiosa despedida da banda.

Na entrevista que vai acompanhado os vários momentos do documentário, James Murphy vai-se dando a conhecer, ao mesmo tempo que parece encontrar respostas para si mesmo. Ele que toma a decisão de acabar com os LCD Soundsystem, por diversos motivos, entre eles o não querer ser “famoso” ou o querer ter uma família, acaba por se deparar com um dilema, assumindo que o maior fracasso da banda tenha sido, talvez, acabar.

Visualmente, Shut up and Play the Hits: O Fim dos LCD Soundsystem é brilhante. Planos intimistas nos momentos certos, e que mostram o vazio do dia seguinte, tanto ainda em casa de James Murphy, quando este acaba de acordar, sempre na companhia do seu cão, ainda meio perdido no meio das muitas emoções do dia anterior; como no inesquecível momento em que regressa ao local onde se encontra todo o material da banda, e onde as câmaras nos aproximam do desconforto e tristeza que o vocalista vive naquele espaço de recordações. Por outro lado, a alegria, luz, cor e movimento das imagens do concerto, onde assistimos a músicas inteiras da banda, alternando entre imagens do público, já saudoso, em êxtase, e dos elementos dos LCD Soudsystem a dar o tudo por tudo em cima do palco, para tornar o momento inesquecível. Os muitos planos picados do público criam um impacto muito forte na visualização das imagens do concerto, a par da utilização da luz, tornando toda esta experiência ainda mais electrizante. Para tal, muito contribuem também os planos que percorrem o público no recinto, culminando no palco, em James Murphy.

São muitos os temas completos tocados no Madison Square Garden, a que assistimos na íntegra, mas, muito mais do que um filme-concerto, Shut up and Play the Hits: O Fim dos LCD Soudsystem é um retrato do próprio vocalista e de como este lida com o final, que ele próprio escolheu, do grupo musical. O tema final New York, I Love You But You’re Bringing Me Down espelha todas as emoções de um último tema tocado ao vivo, não só da parte de Murphy mas de todos os elementos da banda. Um mix de emoções, bem à flor da pele, lágrimas, sorrisos e memórias de dez anos que terminam ali.

“Se é um funeral… que seja o melhor de sempre!” é a máxima que serve não só para o derradeiro concerto, mas também para este Shut up and Play the Hits: O fim dos LCD Soudsystem: provavelmente ambos estão entre os melhores de sempre.

9/10

Ficha Técnica:

Título Original: Shut up and Play the Hits

Realizadores: Will Lovelace e Dylan Southern

Género: Documentário, Musica

Duração: 108 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos

*Por opção da autora, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.