coelho

Estendal

Oriundo da região norte do nosso país, o Coelho Radioactivo (pseudónimo de João Sousa) tem vindo a afirmar-se, nos últimos anos, como um dos mais promissores cantautores da música alternativa cantada em português. Depois de dois EP’s (o singelo ep1, de 2009, e o de “versões” Para Adivinhos, de 2011), o artista decidiu estrear-se em 2012 nos LP’s. Estendal, o primeiro longa-duração de Coelho Radioactivo, foi lançado no mundo virtual a 22 de Setembro, e é dele que vamos falar hoje.

Apesar de apenas ter tomado conhecimento da existência do Coelho Radioactivo no ano passado, a verdade é que quando ouvi o seu primeiro registo, o ep1, senti que as canções ali presentes mostravam um artista com grande potencial. Por isso, e porque também apreciei aquilo que o Coelho foi lançando depois disso (mais propriamente, o Para Adivinhos, a participação na compilação 20 anos de Ruptura Explosiva e a psicadélica sporting de braga conseguiu uma sólida vitória), confesso que fiquei com grandes expectativas para um novo disco do cantautor. E depois de ouvir este Estendal, não posso dizer que tenha ficado desiludido; apesar de não ser uma obra perfeita, a estreia em LP do Coelho Radioactivo é um autêntico mimo.

Quem conhece o percurso de João Sousa sabe que este é um artista um pouco “bipolar”: se nos discos ouvimos um lado mais folk e acústico da sua música, nas suas actuações ao vivo, onde é regularmente acompanhado pelos seus Plutónios, não é incomum sermos presenteados com versões bem mais enérgicas, mais próximas do território indie e folk rock, e que chegam a “roçar” as jams mais psicadélicas que saíram dos anos 70. Curiosamente, uma das primeiras coisas a notar em Estendal é o corte com este status quo, com as duas facetas, à partida antagónicas, a coexistirem no disco e, de certo modo, a complementar-se em algumas das peças mais dinâmicas. Ainda que o lado mais folk do Coelho Radioactivo continue a ser predominante, esta evolução é, a meu ver, um passo significativo.

Também no departamento da produção e do tratamento de som, que esteve a cargo do Coelho Radioactivo em conjunto com João Coração e Rafael Silver, podemos encontrar uma das mais significativas melhorias deste LP. É de louvar a evolução na qualidade de som, que é tremenda quando comparada com a do ep1; em Estendal, nota-se uma sonoridade muito mais “verdadeira”, onde os instrumentos respiram melhor e deixam de parecer “enlatados”. Isto, aliado à “rugosidade” conferida pela falta de “maquilhagens”, overdubs e outros truques de pós-produção, faz com que o disco tenha uma estética muito honesta e autêntica que me agrada bastante.

Ao nível das letras, em Estendal vemos presente uma mistura de um abstraccionismo e de tons mais bucólicos com temas mais introspectivos e amorosos, bem alinhavados por uma capacidade notável de contar histórias sórdidas e caricatas de maneira simples e singela. Quanto ao departamento vocal, o registo grave de João Sousa aparece geralmente como um sussurro gentil que serve na perfeição à lírica do cantautor e ajuda a envolver o ouvinte no ambiente do disco.

Contudo, não posso dizer que Estendal seja um disco perfeito, pois infelizmente existem alguns detalhes negativos que não me agradaram muito. A encabeçar a lista de defeitos está, a meu ver, a falta de um tema ou conceito de base que unifique as canções à sua volta. Isto faz com que, em alguns momentos, o álbum pareça um pouco disperso e solto, tanto ao nível lírico como ao nível da sonoridade. Isto, a juntar a alguma inconsistência que se faz sentir em alguns dos temas, é o suficiente para tirar algum do brilho de Estendal, mas não ao ponto de o impedir de ser um grande disco.

Quanto a escolhas individuais, devo apontar a cristalina Mensagem Para Ursos, a dinâmica Perséfone, a envolvente O Porteiro, a surpreendente São Pedro do Sul e a apaixonante Todo Esse Pó como as minhas peças favoritas do LP. Quanto aos pontos negativos, Olha Que Tarde, Coelho e Vida de Pirata são, a meu ver, as canções mais desinspiradas que encontrei em Estendal, e que revelam alguma da inconsistência acima referida.

Resumindo, com Estendal o Coelho Radioactivo traz-nos uma das mais belas estreias em formato longa-duração que este ano já viu. Com a sua forma muito própria de fazer alternative folk, João Sousa assina neste álbum uma colectânea de canções que o reafirmam como uma das grandes promessas da nova música pop nacional. É certo que, aqui e ali, existem alguns deslizes que impedem este disco de ser perfeito. No entanto, ao olhar para o quadro geral, não tenho dúvidas a afirmar que este Estendal é uma autêntica pérola.

Nota Final: 8.1/10

Fotografia de capa da autoria de Joana Polónia

*Este artigo foi escrito, por opção do autor, segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Ljubomir Stanisic
Ljubomir Stanisic criticado por não respeitar distanciamento social