A Sonaecom, detentora do jornal Público, anunciou hoje que vai despedir 48 profissionais, 36 dos quais jornalistas. Esta medida foi tomada com o objetivo de poupar cerca de 3,5 milhões de euros por ano.

Para além dos despedimentos anunciados à redação durante a manhã, está também prevista uma redução de custos no funcionamento do jornal embora não tenham sido adiantados mais detalhes.

A Sonae justifica a decisão com a obrigação de “assegurar a estabilidade do Público”, referindo-se ainda à crise que assola neste momento a imprensa escrita devido à preponderância do online na atualidade.

No comunicado, afirma-se ainda que o plano vai ter em conta “uma maior orientação para as crescentes exigências do mundo digital”.

Os jornalistas em causa representam cerca de 25% dos redatores do jornal e reuniram-se hoje à tarde em plenário para discutir as novas medidas. Da reunião, ficou decidido por meio de votação que a maioria dos trabalhadores repudiam a decisão afirmando que esta “inviabiliza a continuidade do Público enquanto órgão de comunicação social de referência” e compromete a “responsabilidade social” do acionista. Ainda da reunião mandataram-se os respetivos sindicatos para que se iniciem, desde já, formas de lutar contra o despedimento anunciado.

A medida não é nova, já no final do ano passado o grupo quis colocar 21 colaboradores em “lay-off”, acabando por ser rejeitado pelos trabalhadores, que aceitaram cortes salariais para compensar o recuo nessa medida.