A 13ª Festa do Cinema Francês começou esta quinta-feira com uma estreia mundial na sua sessão de inauguração: Paulette, deu as boas vindas a todos os presentes às 21h00, no cinema São Jorge, em Lisboa. Uma comédia original, cheia de grandes interpretações. O realizador, Jérôme Enrico, esteve presente e trouxe um filme que proporciona bons e divertidos momentos, com um humor muito especial.

Paulette – 7/10

Paulette vive sozinha num bairro de social e recebe uma magra reforma, com a qual tem dificuldade em chegar ao fim do mês. Certa noite dá-se conta dos estranhos negócios que decorrem no seu prédio e é aí que decide lançar-se na venda de haxixe e, já que em tempos foi uma famosa pasteleira, vai encontrar formas originais de começar uma nova carreira.

Apesar de toda a hilariante situação que nos é apresentada em Paulette, há outros temas, bem mais sérios, que surgem, no meio de todas as gargalhadas. O racismo, discriminação e preconceito ou as dificuldades por que muitas pessoas passam para pagar as contas ou mesmo para comer. O tom demasiado sério nunca entra em cena, mas as questões são deixadas no ar, onde um certo realismo está patente, fazendo-nos refletir.

Paulette, uma mulher cheia de preconceitos acaba por ver-se numa teia de ironias: vive num bairro social, apesar de manter sempre a sua postura chique; a sua antiga pastelaria é agora um restaurante japonês e a sua filha casou com um homem negro. Apesar de querer manter sempre um aparente estatuto social, ela mesma acaba por se envolver em negócios menos legítimos.

E o interesse da protagonista reside em tudo isso. Uma mulher decidida, mas fria, cheia de preconceitos e que prefere aparentar ser aquilo que não é. A relação que tem com o neto, e a forma como se desenvolve ao longo da ação é outro dos pontos de interesse, bem como a união entre Paulette e as suas três amigas que nos proporcionam momentos muito divertidos. A personagem principal destaca-se mais ainda pela coragem que demonstra deter ao envolver-se no negócio do tráfico de droga para poder ter uma vida melhor.

A par dos bons diálogos e de um humor direto, provocador e com o timing perfeito, Paulette é acompanhado por uma banda sonora que condiz muito bem com o filme. As quatro atrizes que encabeçam o elenco – a protagonista Bernadette Lafont, e as suas três amigas, interpretadas por Carmen Maura, Dominique Lavanant e Françoise Bertin – têm atuações de peso, com destaque, claro, para Lafont, a “nossa” Paulette.

Surpreendente e imprevisível até ao final, assim é Paulette, que animou a noite  na abertura da 13ª Festa do Cinema Francês. O filme de Jérôme Enrico estará em competição pelo Prémio do Público.

Hoje, sexta-feira, são várias as opções para animar o feriado. Logo às 17h00, o filme de animação Couleur de Peau: Miel abre o segundo dia de festa em francês. O fim de tarde continua com o filme Fragments d’une Révolution e termina com a sessão das 21h00, Le Fils de L’autre.

Inês Moreira Santos