Com o futuro das televisões públicas regionais em risco, é dado mais um passo para a extinção das mesmas. Fonte oficial da Marktest afirmou ao jornal SOL que “quando se medem as audiências, só se avalia Portugal Continental e as ilhas são excluídas“.

Mesmo com a redução de emissões diárias a que se assistiu desde o ano passado, seis horas estão reservadas para o espaço de informação diária regional, bem como a divulgação dos magazines culturais e desportivos próprios das regiões autónomas. Na Região Autónoma da Madeira, o líder máximo, Alberto João Jardim, já afirmou que, sem o dinheiro “vindo do continente” não há RTP Madeira. A estação, que emprega 134 trabalhadores, tem um custo anual na ordem dos 6,4 milhões de euros.

No arquipélago das nove ilhas, a RTP Açores custa aos cofres do Estado cerca de 8 milhões, mas também emprega 149 pessoas, para as seis horas de emissões diárias. Segundo vozes vindas de Ponta Delgada, foi afirmado que “se acabasse, ninguém repararia“.

As regiões autónomas são as únicas zonas do país em que os habitantes têm acesso a cinco canais gratuitos (RTP Madeira/Açores; RTP 1; RTP 2; SIC; TVI).