Selvagens – uma adaptação da obra de Don Winslow– é o novo filme de Oliver Stone: um dos mais conceituados realizadores americanos e, também, dos mais polémicos. Depois do bem sucedido Wall Street: Money Never Sleeps com Michael Douglas e Shia LeBouf, chega-nos um thriller de ação debaixo de um cenário idílico com magníficas praias e muita marijuana à mistura.

A trama gira em torno de dois amigos de infância, agora sócios: no trabalho e no amor. Ambos são donos de uma plantação de marijuana na Califórnia e partilham a mesma namorada, Ophelia. Os três vivem felizes até que o cartel mexicano lhes impõe uma sociedade a qual eles recusam. Deste modo Ophelia é raptada, obrigando Ben e Chon a ceder às exigências de Elena – a chefe do cartel. Contudo – com a ajuda de um polícia corrupto – elaboram um plano alternativo para conseguirem resgatar a namorada e ficar com o dinheiro.

A película é narrada por Ophelia – a namorada dos protagonistas que logo no início deixa antever um final surpreendente (bem ao estilo de uma das peças de Shakespeare, diga-se) ao dizer: “só porque estou a contar esta história, não significa que estarei viva no final”. De resto Blake Lively, a atriz, não compromete a personagem e desempenha razoavelmente o seu papel, embora a sua imagem ainda esteja muito presa a Gossip Girl. Relativamente a Taylor Kitsch e Aaron Johnson – Ben e Chon – também cumprem a sua função, ainda que sem brilho. Contudo é de apreciar a evolução da personagem de Johnson (sim, o Dave de Kick Ass), Ben, que, devido às circunstâncias, tem de mudar o seu comportamento pacífico e low fi – ele que acabava de vir de África onde ajudava pessoas desfavorecidas – para um homem frio e capaz de matar. A cena em que é obrigado a queimar vivo um homem é simplesmente arrepiante e digna de nota.

Mas, sem dúvida alguma, a grande fatia de interpretação cabe ao núcleo secundário repleto de nomes de peso: Salma Hayek no papel da vilã Elena; John Travolta, o polícia corrupto; e Benício del Toro, para mim, a grande figura do filme ao vestir a pele de Lado, um cruel assassino ao serviço de Elena. Sou muito suspeita para falar de Del Toro, mas verdade seja dita: este homem é um portento da representação. Quer as expressões, a maneira de andar e de falar conseguem, de facto, nos enojar e desejar que o personagem desapareça rapidamente do ecrã.

A nível de argumento não é algo completamente original e que nunca tenhamos visto no cinema, talvez a relação a três seja uma novidade, mas penso que não foi muito bem explorada. Urgia explicar melhor a natureza do relacionamento e o porquê de serem tão unidos e partilharem a mesma companheira sem nenhum tipo de conflitos. Faltou isso para credibilizar um pouco mais o facto de os protagonistas arriscarem a vida por uma mulher. Talvez sejam efeitos da marijuana, vá-se lá saber.

No geral Selvagens não vale tanto pelos atores em particular, mas pela capacidade de entreter no geral. Um filme ao estilo western dos tempos modernos com momentos a roçar o filme noir e reminiscências de Natural Born Killers – é assim que Oliver Stone nos presenteia a vista (e de que maneira). Sem moral nem consciência apenas o homem no seu estado mais primitivo: o selvagem.

7.5 /10

Ficha Técnica:

Título Original: Savages

Realizador: Oliver Stone

Argumento: Oliver Stone, Shane Salerno, Don Winslow

Elenco: Aaron Johnson, Benicio Del Toro, Blake Lively, John Travolta, Salma Hayek, Taylor Kitsch

Género: Ação, Drama, Thriller

Duração: 131 minutos