O famoso restauro que uma idosa espanhola operou num fresco do início do século XX vai sair intacto da recuperação da obra original. A empresa de restauro agora encarregue da situação afirma haver a possibilidade de salvar as duas pinturas, a de Elias García Martínez, e a de Cecília Giménez.

A empresa que trata agora de um dos restauros mais famosos dos últimos tempos diz que será um trabalho difícil e que dependerá sobretudo do estado de degradação da parede. Este trabalho será como retirar a camada superficial de tinta, colocá-la num suporte e posteriormente recuperar o fresco de Elias García Martínez, aquilo que Cecília se propôs a fazer, com o resultado desastroso.

A responsável por este segundo restauro, Encarnación Ripollés, afirma que o trabalho de Cecílianão tem nenhum valor artístico“, no entanto a polémica gerada e difundida na Internet, em especial nas redes sociais, deu visibilidade à Igreja do Santuário da Misericórdia de Borja e ao pequeno pedaço de parede que exibe o restauro tosco. Turistas de todo o mundo fazem agora fila para se fotografarem ao lado do azar de Cecília Giménez, que apesar de não ter quaisquer qualificações para o trabalho que executou, tinha, segundo o responsável pela igreja, “ótimas intenções e sensibilidade“.

A população de Borja manifesta-se a favor do trabalho da sua habitante, já que, como dizem, ela fez mais pela pequena localidade que Elias García Martínez. Já Cecília Giménez, apesar do apoio local, não conseguiu escapar a um ataque de ansiedade que a deixou de cama durante alguns dias.