A Cinemateca Portuguesa volta a abrir as portas, neste mês de setembro, com muitas surpresas na programação, depois de um mês de pausa. Entre os ciclos habituais e uma colaboração com o Curtas Vila do Conde, destaca-se ainda, entre outras pérolas na programação deste mês, um ciclo dedicado à diva Marilyn Monroe. A rubrica Bobines da Cinemateca mostra-te tudo o que poderás ver na Rua Barata Salgueiro.

O primeiro dia de setembro conta com apenas uma exibição, sendo considerada uma Sessão Especial. Com acompanhamento ao piano do compositor e chefe da orquestra residente da cinemateca canadiana, Gabriel Thibaudeau, será exibido o filme mudo americano A Grande Parada, de King Vidor, uma história de amor e guerra que foi um sucesso de bilheteira em 1925.

Um dos ciclos especiais deste mês é dedicado a Marilyn, 50 anos após a sua morte. Ao longo de 11 filmes, é revelada a estrela e as suas colaborações com grandes cineastas da época, como Billy Wilder, Otto Preminger ou Laurence Olivier. Eva, O Pecado Mora ao Lado, Quanto Mais Quente Melhor e Os Homens preferem as Loiras são alguns dos escolhidos. O primeiro será ainda exibido no âmbito do ciclo In Memoriam, onde serão homenageados Celeste Holm, Ernest Borgnine, Isuzu Yamada, Chris Marker e Gore Vidal, cinco figuras desaparecidas nos últimos meses. Bruscamente no Verão Passado e Nova Iorque 1997 são outros dos filmes exibidos neste ciclo.

'Deus e o Diabo na Terra do Sol', de Glauber Rocha

Em colaboração com Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012, bem como com a Cinemateca Brasileira, a Cinemateca apresenta um ciclo dedicado ao cineasta brasileiro Glauber Rocha, desaparecido em 1981. Deus e o Diabo na Terra do Sol, Câncer, Terra em Transe e História do Brasil são alguns dos onze filmes do realizador que passarão pela Cinemateca. Também Tabucchi tinha uma relação muito especial com Portugal, pelo que o ciclo “Viagens e Outras Viagens” ao Universo de Antonio Tabucchi se justifica. O ciclo mostra um conjunto de filmes adaptados a partir da sua obra literária, como O Fio do Horizonte e Requiem, e cada sessão é apresentada por um conhecedor deste seu “universo”.

O Curtas Vila do Conde na sua Vigésima Edição é outro ciclo de setembro, prestando homenagem ao festival de curtas-metragens ao longo de dois programas: o primeiro com quatro filmes portugueses premiados ao longo das diversas edições e o segundo com filmes produzidos por iniciativa do próprio festival. Já O Cinema como Jogo de Espelhos é a homenagem a Stephen Dwoskin, através de Video Letters e Trying to Kiss the Moon.

Nos ciclos habituais, Matinés da Cinemateca traz-nos, este mês, clássicos como Dívida de Sangue, Um Verão de Amor, Laura ou A Verdade Escondida. Bergman, Allen, Preminger, Renoir, Scola, Eastwood e Burton são alguns dos realizadores com filmes em exibição, com vinte sessões no ciclo. Quanto a O Primeiro Século de Cinema, aos sábados, voltaremos a ver Capra, Cocteau, Warhol, Welles e Walsh, entre outros, em filmes como As Badaladas da Meia-Noite, Face, Hotel New Hampshire ou Prelude to War.

'Dívida de Sangue', de Clint Eastwood

Na secção O Que Quero Ver, este mês, a Cinemateca oferece sete escolhas do público, entre as quais Fellini 8 1/2 e A Insustentável Leveza do Ser. Já no ciclo Abrir os Cofres poderemos ver duas sessões de filmes de João César Monteiro, apresentadas por Paulo Filipe Monteiro: A Mãe e A Comédia de Deus. Três sessões de filmes portugueses estreantes serão também mostradas em Ante-Estreias, incluindo uma série de curtas-metragens.

A fechar a programação de Setembro, o ciclo Não o Levarás Contigo  – Economia e Cinema apresenta O Homem do Fato Branco, no dia 19, enquanto o ciclo Histórias do Cinema, pela mão de João Mário Grilo, nos traz a relação entre Cinema, Paisagem e Realidade – de John Ford a Rossellini, seis filmes compõem este último ciclo. Por seu lado, na Cinemateca Júnior, serão exibidos 101 Dálmatas, A Roda da Fortuna e Charlot na Rua da Paz, entre outros, neste novo mês. Aqui pode ser consultada a programação completa.