O interesse do Governo em libertar-se do canal da RTP abre portas às intenções do grupo angolano Newshold, detentor do jornal SOL. A holding torna-se assim num possível comprador, tendo para isso criado a empresa Novo Conteúdo.

A notícia foi ontem avançada pelo jornal Público, que cita fontes do mercado para afirmar que o objectivo subjacente à criação desta empresa é a preparação da candidatura à privatização de uma frequência da RTP. Essas mesmas fontes garantem que o grupo já está a contratar colaboradores para a elaboração do projeto, sendo José Marquitos, que foi vice-presidente da RTP durante quatro anos, quem está a conduzir o processo.

No entanto, José Marquitos nega qualquer envolvimento. Admitiu que o grupo criou de facto uma nova empresa, mas que apenas serve de intermediária entre os compradores e os vendedores de espaço publicitário em órgãos de comunicação social.  Destina-se apenas a “conseguir mais eficiência em áreas como a publicidade e a distribuição para o jornal SOL“.

A empresa foi criada em dezembro de 2011 e teve como presidente a advogada Ana Bruno, representante de investidores angolanos em 20 outras empresas, e na altura também presidente da Newshold.

Além do jornal SOL, o grupo tem uma participação em cerca de 15% na Cofina, que edita o Correio da Manhã e uma participação de 1,7% na Impresa. A Cofina, que actualmente está a apostar no sector da televisão através do Correio da Manhã TV é o parceiro natural para a Newshold no alinhamento da RTP. No entanto, a Cofina não quis comentar o assunto.

Esta questão da RTP está a gerar polémica e informações contraditórias. Para uns, a candidatura de capitais angolanos é ponto assente. Outros falam num possível desinteresse de compradores.