Os festivais de verão este ano tiveram menos 600 mil entradas, em comparação com o ano passado. Todos os festivais registaram descidas, com exceção feita ao Marés Vivas, que registou mais 28 mil entradas que em 2011, e ao EDP Paredes de Coura, que contou este ano com mais um dia.

Em declarações à Agência Lusa, os promotores dos festivais afirmaram a descida até nem foi “notada“, sendo que foi compensada com um aumento da venda de bilhetes para o público estrangeiro, como foi o caso do Optimus Alive!.

No conjunto dos sete festivais anuais considerados – Marés Vivas TMN, Optimus  Alive, Músicas do Mundo, Super Bock Super Rock, Sudoeste TMN, Sumol Summer Fest e Paredes de Coura – soma-se um número mínimo de 595 mil entradas.

O Optimus Alive, elogiado pela revista britânica New Musical Express, que foi um dos media partners do festival, somou este ano um máximo histórico de 16 mil visitantes estrangeiros, dos quais sete mil britânicos.

Para contrariar estas descidas, a décima edição do Festival Marés Vivas registou  um aumento de 28 mil espectadores. O festival decorreu de 18 a 21 de julho, na praia do Cabedelo, em Vila Nova de Gaia, e registou a adesão recorde de 95 mil pessoas, mais de sete mil das quais de nacionalidade espanhola, segundo a organização. Kaiser Chiefs, Virgem Suta, Pedro Abrunhosa, João Só e Abandonados,  Anastacia, Billy Idol, Franz Ferdinand e The Cult foram alguns dos nomes que integraram o cartaz.

O festival Optimus Alive, em Algés, que foi realizado entre 13 e 15 de agosto, e que este ano teve  um cartaz de apenas de três dias, ao contrário dos quatro do ano passado, contou 155 mil entradas, menos cinco mil que em 2011. Recorde-se que o bilhete para o dia de Radiohead e o passe de três dias ficou esgotado pouco tempo depois de ter sido posto à venda.

Dois dos festivais organizados pela Música no Coração apresentaram este  ano “números abaixo dos do ano passado“: o Super Bock Super Rock contabilizou 65 mil entradas, confirmou aos jornalistas o empresário Luís Montez, enquanto  86 mil pessoas compraram bilhete para assistir aos concertos do Sudoeste TMN

Segundo a Música no Coração, “a descida foi mais acentuada no Super Bock Super Rock do que no Sudoeste, que também registou uma quebra“.

O Festival de Músicas do Mundo, que decorreu de 19 a 28 de julho, em Sines, contou  com um número de 80 a 90 mil espectadores.

A estimativa da organização é 80 mil a 90 mil espetadores, número acumulado entre espaços e períodos, semelhante a 2011“, segundo Paulo Mestre, da Câmara Municipal de Sines. “Os números totais de público do festival são sempre de estimativa,  porque parte dos concertos são de entrada livre, sem controlo de entradas“, explicou. Por Sines passaram Amélia Muge com Michales Loukovikas, os Diabo a Sete, Uxu Kalhus, Mari Boine, Bombino e Astiller, entre outros.

O diretor do Festival de Paredes de Coura, João Carvalho, considera  a edição deste ano “um sucesso“, com mais de 85 mil espetadores repartidos por quatro noites, mais cinco mil do que em 2011. O encontro de música alternativa decorreu de 13 a 17 de agosto nas margens  do rio Tabuão e contou com o regresso dos Ornato Violeta, além das atuações dos Japandroids, PAUS e Stephen Malkmus, antigo vocalista dos Pavement, que subiu ao palco com os The Jicks. “Só se pode falar de sucesso. É um festival que se fez em dias de semana,  sempre com casa cheia e em tempos de crise“, sublinhou João Carvalho.