L&Ledit

Lovers & Lollypops: do Norte, com amor

Se vivem em Portugal, são interessados em música independente e nunca ouviram falar na Lovers & Lollypops, das duas, uma: ou não são interessados o suficiente, ou não têm acesso à internet (pelo que estão, ao ler este artigo, possivelmente a desafiar o continuum espácio-temporal).

Esta relevância que a L&L tem vindo a ganhar ao longo dos últimos anos deve-se não só ao vasto e maravilhoso catálogo que a editora tem lançado, mas também ao Milhões de Festa, o festival que desde 2007 faz com que o Norte se torne, por alguns dias, na capital oficiosa da música alternativa e independente em Portugal.

Pelo papel que a L&L desempenha na música nacional, decidimos dedicar um artigo com pequenas análises a três recentes lançamentos da editora nortenha: Rockuduro dos Throes + The Shine, Titans dos Black Bombaim e o homónimo dos Alto!.

RockuduroThroes + The Shine

Foi em 2011 que nasceu este projecto, fruto da combinação de dois mundos, à partida, opostos: o Indie Rock dos Throes e o Kuduro dos The Shine. Esta inusitada fusão começou a dar frutos ainda no final do ano passado, com um single, de seu nome Batida, que me deixou extremamente entusiasmado para o disco que se seguiria. Rockuduro, lançado a 21 de Maio, tem em Batida o seu ponto mais alto, mas é certo que não é, de todo, refém dele. A originalidade da mistura do Indie Rock corrosivo e directo com o Kuduro viciante e dançável é, sem dúvida, uma constante que eleva este disco a um patamar de qualidade bastante elevado. A estética, suja e crua, alia-se a um ritmo imparável que faz com que seja impossível ouvir-se este álbum sem começar a dançar. É certo que há pontos menos bons que lhe retiram algum do élan, mas a verdade é que Rockuduro é uma estreia incrivelmente sólida e consistente.

Pontos altos:

  • Adrenalina
  • Batida
  • Tá Maluca

Nota Final: 8.1/10

 

Titans Black Bombaim

Autênticos “pesos pesados” da Lovers & Lollypops, os Black Bombaim são, indubitavelmente, o nome forte do Stoner Rock em Portugal, e uma das bandas lusas com melhor imagem lá fora. Titans, lançado a 6 de Maio, é o terceiro lançamento do trio barcelense e, convenhamos, é um portento que faz jus ao seu nome. Ao longo dos 64 minutos deste duplo LP os Black Bombaim mostram, mais uma vez, uma sonoridade forte e distinta, que tem raízes e base no Stoner Rock (primariamente) instrumental mas que vai jogando com influências, tons e padrões mais pesados, psicadélicos e espaciais. Outro elemento que faz de Titans um grande disco é a questão das colaborações: grandes nomes nacionais, como Adolfo Luxúria Canibal (Mão Morta) e Ghuna X, juntam-se a figuras como Steve Mackay (saxofonista em Fun House, dos The Stooges) e Isaiah Mitchell (Earthless), formando um elenco verdadeiramente titânico. Apesar de por vezes poder parecer um bocado saturador e disperso, devido à sua extensão, Titans é um disco que faz questão de nos envolver por completo e levar-nos numa incrível viagem musical. Avassalador.

Pontos altos:

  • Side B
  • Side C

Nota Final: 8.5/10

 

Alto! Alto!

Depois de dois EP’s (See You in Hell em 2009 e Computer says NO. em 2010), eis que chega a estreia em longa-duração dos Alto!. O LP, homónimo, foi lançado a 22 de Fevereiro, e conta com 10 faixas cheias de um Garage Rock cru, suado e extremamente infeccioso. Apesar de trazer uma sonoridade que evoca claramente a inspiração vinda do Proto-Punk de Michigan de grupos seminais como The Stooges ou MC5,  Alto! está, no entanto, muito longe de ser uma mera tentativa de emular o som destas bandas; pelo contrário, neste LP o quinteto barcelense faz questão de misturar influências, juntando às guitarras sujas de Bruno Costa e Ricardo Miranda e aos vocais roufenhos e vigorosos de João Pimenta um teclado, também a cargo de Ricardo Miranda, que faz lembrar imenso as teclas de Ray Manzarek (dos The Doors). Resumindo, apesar de a meio perder algum do fulgor e de por vezes parecer um bocadinho repetitivo, a verdade é que este Alto! é um disco promete fazer as delícias de quem gosta de Garage Rock forte e sujo. Arrisco-me até a dizer: Ron Asheton ficaria orgulhoso.

Pontos altos:

  • Quai de la Marne
  • Carrer de la Muntanya
  • Rathausplatz

Nota Final: 7.5/10

Para saberem mais sobre a Lovers & Lollypops:

Para escutarem/comprarem os discos acima referidos (e muitos outros):

*Por opção do autor, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945

Mais Artigos
The Black Mamba Eurovisão
Eurovisão 2021. The Black Mamba ensaiam pela primeira vez no palco de Roterdão